Escolha uma Página

Microplásticos tomam o planeta e contribuem para ameaça à vida

Os microplásticos já estão presentes nos pontos mais altos e mais profundos do planeta – e até dentro do nosso corpo.

Eles foram encontrados na chuva, em núcleos de gelo ártico, dentro dos peixes que comemos, bem como em frutas e vegetais. Uma pesquisa das universidade de Toulouse e Strathclyde já sugere que 136 mil toneladas de microplásticos são ejetadas do oceano a cada ano, terminando no ar que respiramos. Eles estão em placentas humanas, nas nossas águas residuais e nossa água potável.

Todos os resíduos de plástico, independentemente do tamanho, são prejudiciais ao meio ambiente, mas os microplásticos representam um desafio especial devido ao tamanho – alguns são 150 vezes menores que um fio de cabelo humano – e capacidade de entrar na cadeia alimentar. O resultado é que todos os aditivos químicos acabam na carne e nos órgãos de peixes e humanos.

Vimos há alguns meses que os pequenos pedaços de plástico – que já haviam sido descobertos em 2018 a nada menos que 11 quilômetros de profundidade na trincheira de Mariana, no Oceano Pacífico -, agora foram encontrados no Monte Everest.

Esta é a primeira vez que microplásticos foram detectados no Everest.

Outra notícia que preocupa é a de que, pela primeira vez, um estudo conseguiu de fato confirmar a presença de microplásticos dentro da placenta humana, segundo uma matéria publicada na revista científica Environment International.

Muito nos preocupa que as primeiras vezes deste ineditismo estejam na degradação do meio ambiente e da saúde humana por conta da poluição que toma o planeta.

Sempre bom lembrar que os plásticos são um subproduto da extração de combustíveis fósseis. Os materiais empregados em sua fabricação provêm de petróleo, gás e carvão mineral.

Responsável pelo estudo no Everest, Imogen Napper, da Universidade de Plymouth, Reino Unido, e seus colegas coletaram oito amostras de água de riacho e de neve de diferentes pontos da montanha.

O resultado da pesquisa: A presença de microplásticos em todas as amostras de neve e três das amostras de fluxo.

Realmente me surpreendeu encontrar microplásticos em cada uma das amostras de neve que analisei. O Monte Everest é um lugar que sempre considerei remoto e intocado. Saber que estamos poluindo perto do topo da montanha mais alta é uma verdadeira revelação”, ressaltou Imogen ao jornal The Guardian.

A amostra mais poluída veio do acampamento base do Everest, no Nepal, onde se concentra a maior parte da atividade humana na montanha.

As fibras provavelmente vieram de roupas, tendas e cordas usadas pelos montanhistas, de acordo com os cientistas.

Microplásticos e as consequências para a saúde humana

A informação sobre os resíduos encontrados no Everest e também na placenta humana vem sendo estudada com preocupação.

Uma pesquisa da WWF já apontou que as pessoas podem estar ingerindo o equivalente a um cartão de crédito de plástico por semana.

Os cientistas trabalham com algumas possibilidades referentes a como os microplásticos chegam ao organismo humano.

Uma delas é através da alimentação. Os microplásticos frequentemente entram em nossa cadeia alimentar por meio de água potável e frutos do mar. Além disso, podem entrar através das embalagens plásticas em que os alimentos são embalados nos supermercados.

Os microplásticos carregam substâncias que atuam como desreguladores endócrinos e podem causar efeitos a longo prazo na saúde humana.

Outra pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Victoria, no Canadá, em 2019, analisou as quantidades de microplásticos e diversos produtos e substâncias.

A água engarrafada aparece no topo da lista daqueles que apresentaram maior presença de microplástico, seguida por cerveja, ar, água de torneira, frutos do mar, açúcar e sal.

Na América do Sul, uma nova pesquisa encontrou microplásticos em cada amostra retirada de um vasto sistema de fiorde na Patagônia chilena, mostrando a imensa escala global da poluição marinha por plástico.

Cristóbal Castillo e sua equipe de pesquisa da Universidad de Concepción publicaram suas descobertas no mês passado no Marine Pollution Bulletin.

Para quem não sabe, apenas caminhar por 20 minutos, lavar nossas roupas ou abrir uma garrafa de plástico pode liberar microplásticos no meio ambiente.

Oceanos e saúde global

De acordo com a Plastic Oceans, mais de 8 milhões de toneladas de plástico acabam em nossos oceanos a cada ano.

Não é nenhuma novidade que os oceanos são cruciais para sustentar a vida no planeta. Eles desempenham um papel central na adição de oxigênio à atmosfera e na absorção de dióxido de carbono, ajudando a estabilizar os efeitos do aquecimento global.

LEIA TAMBÉM: Acordo de Glasgow: o novo compromisso da sociedade pelo clima

Eles são essenciais para a subsistência de milhões que vivem ou trabalham neles ou perto deles e têm um papel importante no fornecimento de vários medicamentos essenciais.

Conforme as temperaturas globais aumentam, a taxa de derretimento do gelo marinho aumenta. Isso libera formas de algas e bactérias nocivas em águas anteriormente não contaminadas.

Além disso, os efeitos das mudanças climáticas exacerbam outra causa significativa de danos à saúde dos oceanos: a poluição.

Plásticos de todos os tamanhos – principalmente os menores – são facilmente confundidos com comida por animais marinhos. As tartarugas marinhas, por exemplo, costumam confundir sacolas plásticas transparentes com águas-vivas.

No entanto, os microplásticos, acima de todas as outras formas de poluição do plástico, são o tipo de plástico mais frequentemente ingerido pela vida marinha.

Este artigo é só um resumo dos impactos interligados dentro dessa cadeia poluente em que vivemos. Toda e qualquer solução aponta para alternativas sustentáveis, incluindo o fim dos combustíveis fósseis – e, consequentemente, dos plásticos.

A sociedade precisa se unir para construir um mundo de energia limpa, livre e renovável.

Estudo americano mostra que mudanças climáticas e poluição estão ligadas a complicações na gravidez

Estudo americano mostra que mudanças climáticas e poluição estão ligadas a complicações na gravidez

Mães negras sofrem maior risco; consequências são bebês prematuros, com baixo peso ou natimortos, aponta análise de 32 milhões de nascimentos do Journal of American Medical Association

As mulheres grávidas expostas a altas temperaturas ou poluição do ar têm maior probabilidade de ter filhos prematuros, com baixo peso ou natimortos, e mães e bebês negros são os mais afetados, de acordo com pesquisa publicada esta quinta-feira na JAMA Network Open, parte do Journal of American Medical Association. O estudo analisou dados de mais de 32 milhões de nascimentos nos Estados Unidos.

A pesquisa apresenta algumas das evidências mais abrangentes até agora vinculando aspectos da mudança climática a danos a recém-nascidos. E aumenta as evidências de que as minorias estão mais sujeitas aos riscos da poluição e do aquecimento global.

“Já sabemos que essas consequências da gravidez são piores para as mulheres negras”, disse Rupa Basu, chefe da seção epidemiológica do ar e do clima do Escritório de Avaliação de Perigos em Saúde Ambiental da Califórnia e um dos autores do artigo. “E isso é ainda mais exacerbado por essas exposições.”

“Black moms matter (mães negras importam)”, acrescentou Bruce Bekkar, ginecologista e obstetra aposentado e outro autor, além de membro do conselho do grupo de ação sobre o clima de San Diego Climate Action Campaign. “É hora de realmente prestar atenção aos grupos que são especialmente vulneráveis.”
Os autores analisaram 57 estudos, publicados desde 2007, que encontraram uma relação entre poluição do ar ou aquecimento e os impactos nos nascimentos nos Estados Unidos. Juntos, os estudos analisaram 32,8 milhões de casos.

As descobertas acumuladas dos estudos oferecem motivos para se preocupar com o aumento das consequências na saúde dos bebês à medida que a mudança climática piore. Temperaturas mais altas (uma preocupação crescente, uma vez que as mudanças climáticas causam ondas de calor mais frequentes e intensas) foram associadas a mais partos prematuros. Quatro estudos descobriram que altas temperaturas estavam associadas a um risco aumentado de 8,6 a 21%. Os problema do baixo peso ao nascer também foi mais comum à medida que as temperaturas aumentaram.

Os autores analisaram dois estudos que examinaram a ligação entre temperaturas mais altas e natimortos. Constatou-se que todo aumento de temperatura de 1 grau Celsius na semana anterior ao parto correspondia a uma probabilidade 6% maior de natimortos entre maio e setembro. Ambos os estudos encontraram disparidades raciais nesses números.

O artigo também procurou pesquisas que examinassem os efeitos na gravidez de uma maior exposição a poluição atmosférica e a pequenas partículas chamadas PM 2,5. Os dois tipos de poluição estão se tornando mais comuns à medida que a mudança climática avança, disseram os autores.

A grande maioria das pesquisas revisadas no artigo concluiu que a poluição atmosférica e o PM 2.5 estão associados a nascimentos prematuros, baixo peso ao nascer e natimortos. Um estudo descobriu que a alta exposição à poluição do ar durante o último trimestre da gravidez estava ligada a um aumento de 42% no risco de natimortos. A maioria das pesquisas que examinou a ligação entre poluição do ar e nascimento prematuro ou baixo peso ao nascer descobriu que os riscos eram maiores para as mães negras.

O nascimento prematuro e o baixo peso ao nascer podem ter consequências que duram a vida inteira, afetando aspectos como desenvolvimento cerebral e vulnerabilidade a doenças, de acordo com Nathaniel DeNicola, outro dos autores do artigo e professor assistente de obstetrícia e ginecologia na Escola de Medicina da Universidade George Washington. Medicina e Ciências da Saúde. “Isso realmente prepara o cenário para uma geração inteira”, disse DeNicola.

Menos acesso ao seguro-saúde

Catherine Garcia Flowers, integrante do grupo de Houston Moms Clean Air Force, disse que o documento é uma evidência de que o governo federal precisa reforçar as regulamentações contra a poluição do ar. “Este é um momento de avaliação de injustiça racial e disparidades de saúde”, disse Flowers. “Não fazer nada sobre a poluição do ar, que claramente tem um impacto maior sobre os negros americanos, é o racismo em ação”.

O problema vai além da política ambiental ou dos cuidados com a saúde, de acordo com Adrienne Hollis, cientista sênior de justiça climática e saúde da Union of Concerned Scientists. Os afro-americanos são menos propensos a ter seguro-saúde, menos chances de ter acesso a alimentos saudáveis, menos chances de ter acesso a espaços verdes para protegê-los das ondas de calor e têm maior probabilidade de viverem perto de fontes de poluição. Esses problemas não podem ser enfrentados isoladamente, disse Hollis.

“Precisamos examinar políticas que ofereçam oportunidades equitativas para comunidades negras”, disse ela. “Se você abordar o racismo estrutural, acho que começará a abordar algumas dessas questões”.

Fonte: O Globo

Poluição do ar provavelmente aumentará a taxa de mortalidade por coronavírus, alertam especialistas

Poluição do ar provavelmente aumentará a taxa de mortalidade por coronavírus, alertam especialistas


Os danos à saúde causados ​​às pessoas pela poluição do ar de longa data nas cidades provavelmente aumentarão a taxa de mortalidade por infecções por coronavírus, disseram especialistas. Sabe-se que o ar sujo causa danos nos pulmões e no coração e é responsável por pelo menos 8 milhões de mortes por ano. Esse dano à saúde subjacente significa que infecções respiratórias, como o coronavírus, podem muito bem ter um impacto mais sério nos moradores da cidade e nos expostos a vapores tóxicos do que em outros.

No entanto, medidas estritas de confinamento na China, onde o surto de coronavírus começou, e na Itália, o país mais afetado da Europa, levaram a quedas na poluição do ar, à medida que menos veículos são movidos e as emissões industriais caem. Um cálculo preliminar feito por um especialista norte-americano sugere que dezenas de milhares de mortes prematuras devido à poluição do ar podem ter sido evitadas pelo ar mais limpo da China, muito superior às 3.208 mortes por coronavírus.

Os especialistas enfatizaram, no entanto, que ninguém está reivindicando a pandemia pode ser vista como boa para a saúde e é muito cedo para estudos conclusivos. Eles disseram que, em particular, outros impactos indiretos do coronavírus na saúde, via perda de renda e falta de tratamento para outras doenças, também serão grandes.

Embora a poluição do ar urbano tenha diminuído nos países desenvolvidos, a compreensão dos danos generalizados que causa à saúde aumentou e o ar tóxico aumentou para níveis extremos nos países em desenvolvimento, como a Índia.

“Pacientes com doenças pulmonares e cardíacas crônicas causadas ou agravadas pela exposição prolongada à poluição do ar são menos capazes de combater infecções pulmonares e mais propensas a morrer. Provavelmente também é o caso do Covid-19 ”, disse Sara De Matteis, da Universidade de Cagliari, Itália, e membro do comitê de saúde ambiental da Sociedade Respiratória Europeia. “Ao reduzir os níveis de poluição do ar, podemos ajudar os mais vulneráveis ​​na luta contra esta e qualquer possível pandemia futura”.

Há evidências de surtos anteriores de coronavírus de que aqueles expostos ao ar sujo correm mais risco de morrer. Os cientistas que analisaram o surto de coronavírus Sars na China em 2003 descobriram que pessoas infectadas que viviam em áreas com mais poluição do ar tinham duas vezes mais chances de morrer do que aquelas em locais menos poluídos.

Pesquisas sobre o surto de coronavírus Mers, vistas pela primeira vez na Arábia Saudita em 2012, mostraram que os fumantes de tabaco eram mais propensos a contrair a doença e mais propensos a morrer. Pesquisas iniciais sobre Covid-19 sugerem que fumantes e ex-fumantes são mais suscetíveis ao vírus. Mas uma diferença é que o Covid-19 parece ter uma taxa de mortalidade geral menor do que Sars ou Mers.

“Dado o que sabemos agora, é muito provável que as pessoas que estão expostas a mais poluição do ar e que estão fumando produtos de tabaco se saiam pior se infectadas com [Covid-19] do que aquelas que estão respirando um ar mais limpo e que não não fume ”, disse Aaron Bernstein, da Escola de Saúde Pública de Harvard TH Chan, ao Washington Post.

Reduções na poluição do ar foram registradas no norte da Itália, o centro do surto do país. A poluição do ar também caiu drasticamente em toda a China nas quatro semanas após 25 de janeiro, quando as regiões fecharam em resposta ao surto. O nível de PM2,5, pequenas partículas perigosas de poluição, caiu 25%, enquanto o dióxido de nitrogênio, produzido principalmente por veículos a diesel, caiu 40%.

A ligação entre esses poluentes e mortes precoces é bem conhecida e Marshall Burke, da Universidade de Stanford, nos EUA, usou os dados para estimar os impactos na mortalidade por poluição do ar. Os jovens e os idosos são os mais afetados pelo ar sujo e, usando premissas conservadoras, Burke calculou que o ar mais limpo pode ter evitado 1.400 mortes prematuras em crianças menores de cinco anos e 51.700 mortes prematuras em pessoas com mais de 70 anos.

“Parece claramente incorreto e imprudente concluir que as pandemias são boas para a saúde”, disse ele. “Mas o cálculo talvez seja um lembrete útil das conseqüências muitas vezes ocultas do status quo para a saúde, ou seja, os custos substanciais que nossa maneira atual de fazer as coisas implica em nossa saúde e meios de subsistência”.

Ele disse que os impactos indiretos do Covid-19 são provavelmente muito maiores do que os atualmente conhecidos. “Parece provável que quaisquer ‘benefícios’ da redução da poluição do ar sejam dominados pelos custos diretos e, principalmente, indiretos do vírus, como os efeitos na saúde da perda de renda e os custos de morbimortalidade dos Problemas de saúde ocultos que não são tratados.

Sascha Marschang, secretário-geral interino da Aliança Europeia de Saúde Pública, disse: “Quando a crise terminar, os formuladores de políticas devem acelerar as medidas para tirar veículos sujos das nossas estradas. A ciência nos diz que epidemias como o Covid-19 ocorrerão com frequência crescente. Portanto, limpar as ruas é um investimento básico para um futuro mais saudável. ”

Fonte: The Guardian

Quarentenas e restrições reduzem poluição na Itália, China e em NY

Quarentenas e restrições reduzem poluição na Itália, China e em NY

Em quarentena há doze dias, os moradores de Veneza viram pela primeira vez em muitos anos as águas dos canais da cidade ficarem claras – e até golfinhos, cisnes e cardumes de peixes foram flagrados nadando por ali. Com fábricas paradas e trânsito quase inexistente, a Itália registrou considerável melhora qualidade do ar. Mas a nação não foi a única em que a natureza se beneficiou da pandemia de coronavírus: cientistas já registraram redução da poluição na China e nos Estados Unidos.

Estudos mostraram uma melhora de 21,5% na qualidade do ar na China, onde é comum os moradores da capital, Pequim, usarem máscaras para se proteger da poluição. Um pesquisador na Universidade Stanford calcula que, apesar das muitas vidas tiradas pela Covid-19, a paralisação das fábricas e do trânsito no país pode ter salvo entre 50.000 e 75.000 pessoas que poderiam morrer de forma prematura por causa da poluição. O pesquisador, Marshall Burke, porém, advertiu que seria “incorreto e imprudente” concluir que “pandemias são boas para a saúde” por causa disso.

O surto de coronavírus começou no final de dezembro em Wuhan, na China. Com uma propagação rápida para as cidades e regiões vizinhas, a doença levou ao total isolamento de dezesseis cidades. Ao menos 60 milhões de pessoas ficaram confinadas em toda a província de Hubei, da qual Wuhan é a capital.

Com as restrições, as operações industriais em toda a região foram suspensas. A proibição de que os chineses viajassem entre as cidades da província e para fora dela também diminuiu o fluxo de circulação de carros, ônibus, trens e aviões em todo o país.

Segundo o Centro de Pesquisa sobre Energia e Limpeza do Ar, cuja sede está localizada na Finlândia, todas as mudanças observadas na China levaram a uma redução de 25% nas emissões de dióxido de carbono durante quatro semanas entre o final de janeiro e meados de fevereiro, quando comparado ao mesmo período do ano passado.

A organização aponta ainda que as operações industriais foram reduzidas de 15% a 40% em algumas regiões do país. Em alguns setores, o consumo de carvão mineral caiu 36%. O país é o atual campeão mundial dessas emissões.

Os satélites de monitoramento de poluição operados pela Nasa e pela Agência Espacial Europeia (ESA) também observaram reduções drásticas na poluição do ar sobre a China durante duas semanas em fevereiro, quando a quarentena estava em vigor em várias províncias. Os satélites mediram as concentrações de dióxido de nitrogênio, que é liberado por carros, usinas e instalações industriais, de 1º a 20 de janeiro e novamente de 10 a 25 de fevereiro. A diferença entre os dois períodos é notável.

Os cientistas da Nasa disseram que reduções de emissões semelhantes foram observadas em outros países durante crise econômicas, mas que a queda na poluição do ar na China durante o período de quarentena foi especialmente rápida. “É a primeira vez que vejo uma queda tão dramática em uma área tão ampla para um evento específico”, disse Fei Liu, pesquisador de qualidade do ar da agência americana, em um comunicado. 

A China teve até o momento quase 81.000 casos de Covid-19 e 3.248 mortes. O país registrou no domingo o primeiro caso de transmissão local em três dias – consequência dos mais de quarenta casos importados do exterior.

Itália

As concentrações de dióxido de nitrogênio na atmosfera da Itália também caíram de forma acentuada, assim como na China. Novos dados do satélite Copernicus Sentinel-5p da ESA mostram que, entre 1 de janeiro e 11 de março, a redução foi especialmente visível no norte do país, que foi particularmente afetado pelo surto de Covid-19.

“O declínio nas emissões de dióxido de nitrogênio sobre o norte da Itália é particularmente evidente”, disse Claus Zehner, gerente de missão da ESA Copernicus Sentinel-5P, em comunicado.

A inalação do dióxido de nitrogênio pode aumentar o risco de asma, irritação e inflamação dos pulmões. Embora o gás nocivo não seja considerado um dos principais contribuintes para as mudanças climáticas, o estudo de sua concentração na atmosfera pode ajudar os cientistas a entender os outros gases de efeito estufa que aprisionam o calor e que impulsionam o aquecimento global.

Em Veneza, a imposição de uma quarentena obrigatória não reduziu apenas o trânsito de automóveis e aviões, mas também o de barcos pelos canais da cidade. Sem a grande circulação de gôndolas e vazia de turistas, as águas da famosa atração turística italiana ficaram mais claras e os moradores puderam ver peixes nadando nos canais pela primeira vez em muitos anos.

Alguns internautas compartilharam vídeos de golfinhos e cardumes nas águas em suas redes sociais. “Veneza não vê a água dos canais limpa há muito tempo”, escreveu um dos usuários.

A Itália tem 59.138 infecções e 5.476 mortes por coronavírus. O número de óbitos no país superou o registrado na China em seu pico de casos.

Nova York

Embora ainda seja cedo para avaliar o impacto das quarentenas nos Estados Unidos, dados coletados em Nova York nesta semana sugerem que a instrução do governo estadual para os moradores evitarem deslocamentos desnecessários e ficarem em casa já traz impacto significativo.

O trânsito automotivo na cidade caiu 35%, em comparação com o mesmo período do ano passado. As emissões de monóxido de carbono, principalmente de carros e caminhões, caíram cerca de 50% por alguns dias esta semana, de acordo com pesquisadores da Universidade de Columbia.

A pesquisa também apontou uma queda de 5% a 10% na concentração de gás carbônico e metano em Nova York. Os cientistas, contudo, alertaram que os níveis podem subir rapidamente assim que a situação se normalizar.

O governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, decretou quarentena obrigatória por conta do coronavírus a partir desta sexta-feira, 20. Os dados coletados pela Columbia, contudo, avaliam apenas os dias anteriores à decisão.

Nova York registrou 3.954 casos de Covid-19, além de 26 mortes. Em todo os Estados Unidos são mais de 16.000 infecções e 213 óbitos.

Embora o coronavírus já tenha tirado muitas vidas, cientistas apontam que esse período pode oferecer ao mundo lições sobre como se preparar – e idealmente evitar – os impactos mais destrutivos das mudanças climáticas no planeta.

Fonte: Veja

Poluição do ar pode tornar as pessoas mais vulneráveis ao coronavírus

Poluição do ar pode tornar as pessoas mais vulneráveis ao coronavírus

Uma coisa notável sobre o COVID-19, a doença causada por coronavírus que tem se espalhado pelo mundo, é que ela induz condições graves e mortais em algumas pessoas, enquanto outras ficam apenas levemente doentes. Até agora, sabemos que idade avançada ou condições de saúde preexistentes colocam uma pessoa em maior risco de sintomas graves. Infelizmente, para muitas pessoas, o ar poluído que respiram todos os dias provavelmente já danificou seus pulmões e as tornou mais vulneráveis ​​ao novo coronavírus.

A doença COVID-19 tende a apresentar febre e tosse seca. O vírus ataca o sistema respiratório e se torna fatal quando os pacientes sucumbem à síndrome do desconforto respiratório agudo, que faz com que os pulmões se encham de líquido. O vírus tem sido mais mortal para pessoas com mais de 60 anos de idade, além de pessoas com doenças cardiovasculares, câncer e doenças respiratórias crônicas.• Poluição do ar por combustíveis fósseis mata mais pessoas por ano do que cigarro
• Poluição do ar na China despenca após medidas para conter coronavírus
• Redução de poluição do ar salva vidas em questão de semanas, segundo pesquisa

Adivinhe qual é o principal fator de todas as doenças acima? Poluição do ar. E quem é mais provável de ser exposto à má qualidade do ar nos EUA? Famílias de baixa renda e comunidades de minorias étnicas. Quem tem maior probabilidade de morrer prematuramente devido à qualidade do ar reduzida? Os idosos. Hoje, os negros têm uma probabilidade três vezes maior de morrer de asma do que os brancos. Isso se torna 10 vezes mais provável para crianças negras. Os negros também sofrem as maiores taxas de mortalidade por doenças cardíacas.

É por isso que o surto de COVID-19 é uma questão de justiça ambiental, e a ex-administradora da Agência de Proteção Ambiental Gina McCarthy disse isso no Twitter na segunda-feira (16).

“Esta crise não é simplesmente uma questão de saúde pública. Está diretamente relacionada à equidade social e à justiça ambiental”, escreveu McCarthy. “Está diretamente relacionada à nossa luta por ar limpo, água potável, um ambiente saudável e comunidades saudáveis. #COVID19 está afetando todos nós — nossa saúde e nosso modo de vida, mas comunidades de baixa renda e comunidades de minorias étnicas podem enfrentar riscos adicionais.”

“A estimativa é que haverá taxas muito mais altas de infecção e morte em comunidades de baixa renda e ainda mais em comunidades de baixa renda de minorias étnicas.”

Até o momento, nenhuma pesquisa examinou a demografia das comunidades que observavam maiores incidências do coronavírus. Também não houve nenhuma pesquisa sobre como a má qualidade do ar poderia exacerbar os sintomas do vírus. A ironia do vírus ter começado na China, que tem uma das piores qualidades do ar do mundo, também foi observada por Stephanie Lovinsky-Desir, professora assistente de pediatria no Columbia Medical Center. Ela disse ao Gizmodo:

“É possível que uma das razões pelas quais o vírus tenha sido tão nocivo possa estar ligada a exposições ambientais como a poluição do ar”, disse Lovinsky-Desir.

Sabemos, porém, que a poluição do ar afeta o sistema imunológico respiratório quando partículas tóxicas entram e inflamam os pulmões. A má qualidade do ar mais o COVID-19 podem ser uma mistura mortal para as comunidades que já sofrem nas mãos de uma economia global que depende da queima de combustíveis fósseis tóxicos.

A recente suspensão das atividades diárias normais devido ao COVID-19 causou uma redução drástica na poluição do ar em toda a China e Itália, os dois países com o maior número de casos. No entanto, em situações normais e na ausência de uma crise global de saúde, veículos lançam toxinas no ar regularmente ao nosso redor, enquanto as refinarias e usinas que queimam combustíveis fósseis emitem ativamente material particulado e substâncias cancerígenas nos quintais de alguns selecionados.

“Se você está exposto à poluição, há um risco aumentado. Se houver um número desproporcional de norte-americanos de minorias raciais nessas áreas, então, por extensão, eles ficarão mais doentes, com certeza”, Rey Panettieri, médico do pulmão e vice-chanceler do Instituto de Medicina e Ciência Translacional da Universidade Rutgers, disse ao Gizmodo. “Populações vulneráveis ​​– e eu uso isso em um sentido mais amplo — certamente são desproporcionalmente afetadas por todas as doenças e, com a natureza rápida da disseminação do vírus, acho que essas serão afetadas desproporcionalmente, então sim, estou preocupado.”

O resultado de toda essa poluição do ar, globalmente, é de 7 milhões de mortes por ano, segundo a Organização Mundial da Saúde. Nos EUA, a poluição do ar tem aumentado pela primeira vez em uma década. (Obrigada, Donald Trump.)

As melhorias na qualidade do ar de 1999 a 2013 reduziram o número de mortes prematuras entre os idosos, resultando em US$ 24 bilhões por ano em economia, mas eles continuam sendo os que apresentam maior risco. A poluição do ar é tão mortal que os profissionais de saúde a chamam de pandemia, observando que os combustíveis fósseis são a principal fonte dessa morte e desespero em todo o mundo.

Agora, o COVID-19 provavelmente está aumentando ainda mais o risco de morte para essas comunidades.

“A estimativa é que haverá taxas muito mais altas de infecção e morte em comunidades de baixa renda e ainda mais em comunidades de baixa renda de minorias étnicas por causa de todas as condições pré-existentes — tanto médicas como sociais”, disse Mark Mitchell, um professor associado de mudança climática, energia e saúde ambiental da Universidade George Mason e presidente do Conselho Nacional de Associação Médica de Legislação Médica, ao Gizmodo.

Essas condições sociais incluem taxas mais altas de pobreza, desigualdades na assistência à saúde e disparidades no acesso a férias remuneradas. Existem também práticas de estilo de vida, como moradias multigeracionais, onde avós, filhos e netos podem viver sob o mesmo teto. Isso é mais comum entre famílias de imigrantes e pessoas de minorias étnicas. O mesmo acontece com o uso regular de transporte público.

É por isso que alguns organizadores comunitários em cidades que enfrentam taxas mais altas de poluição do ar devido à atividade da indústria estão fazendo todo o possível para se conectar com os locais e mantê-los informados sobre o vírus.

Em Richmond, Califórnia, sede da Refinaria Chevron Richmond, que foi alvo de críticas nos últimos anos por liberar gases tóxicos, a Rede Ambiental da Ásia e do Pacífico (APEN, na sigla em inglês) tenta fornecer aos membros informações vitais sobre como se proteger contra o vírus.

Muitos dos membros do grupo são idosos e muitos sofrem de asma ou câncer. Até agora, a organização não relatou nenhum caso confirmado de COVID-19. Como a APEN trabalha com asiáticos-americanos, também se preocupa especialmente com o aumento do preconceito racial e crimes de ódio, disse Megan Zapanta, diretora organizadora da rede em Richmond, ao Gizmodo. Por fim, os recursos de que essas comunidades precisam durante o período do COVID-19 — habitação estável, acesso à saúde, empregos seguros — são o que precisam sempre, independente da pandemia.

“Queremos realmente pensar em resiliência em todos os tipos de termos, onde não é apenas resiliência quando há um desastre ou pandemia gigante”, disse Zapanta. “Ou também resiliência quando há uma crise econômica, com todas essas coisas relacionadas, ou quando há uma crise imobiliária.”

O governo dos EUA tem um controle limitado sobre a disseminação do COVID-19. No entanto, a resposta do governo — melhorar a limpeza do transporte público e injetar mais de um trilhão de dólares no mercado — mostra o que é possível, haja uma pandemia ou não. A resposta ao coronavírus nos dá uma ideia do que o governo dos EUA está disposto a fazer quando entra no modo de emergência. A vergonha é que nossos líderes tenham que esperar pelo desastre para implementar essas políticas.

“Sabemos que agora temos a tecnologia para fechar essas instalações [poluentes] e mudar para energias renováveis ​​mais limpas e parar essa exposição que afeta predominantemente comunidades de baixa renda e comunidades de minorias étnicas”, disse Mitchell. “E que isso terá efeito imediato na melhoria da saúde e ajudará a reduzir a suscetibilidade a outras doenças como o COVID-19.”

O governo federal pode optar por salvar vidas o ano todo, se também enfrentar essa pandemia de poluição do ar. Fazer isso pode salvar vidas em semanas. Comunidades mais saudáveis ​​são sempre a resposta certa e estão melhor equipadas para sobreviver a esses tipos de desastres globais de saúde. Vamos começar por aí.

Fonte: Gizmodo