Escolha uma Página
Brasileiros reconhecem que mudanças climáticas são tão sérias quanto o coronavírus

Brasileiros reconhecem que mudanças climáticas são tão sérias quanto o coronavírus

Para 71% da população do Brasil, as alterações climáticas no mundo, no longo prazo, são uma crise tão séria quanto a pandemia de Covid-19. Esse é o principal resultado da pesquisa ‘Earth Day 2020’, realizada pela Ipsos, por meio da plataforma Global Advisor, com 14 nações. O índice dos entrevistados brasileiros reflete perfeitamente a percepção global, também de 71%.

A China, um dos países mais impactados pelo surto de coronavírus, está no topo do ranking entre os que mais acreditam que as mudanças no clima representam um problema de mesma gravidade da pandemia, com 87% de concordância com a premissa. Em segundo lugar, vem o México, com 84%. Logo atrás, está a Índia (81%).

Em contrapartida, Canadá (64%), Austrália (59%) e Estados Unidos (59%) são as nações que menos concordam que as alterações climáticas sejam uma crise tão séria quanto a pandemia.

O levantamento também apontou que 65% dos entrevistados no mundo acreditam que os governos de seus países devem priorizar ações de combate às mudanças climáticas durante a recuperação econômica após a Covid-19. Considerando apenas os brasileiros, são 66%.

Índia (81%), México (80%) e China (80%), novamente, são as nações que mais concordam com a afirmativa. Por outro lado, os participantes australianos, alemães e americanos, com 57% de concordância cada um, mostraram um menor grau de interesse nas iniciativas futuras de seus governos em respeito às alterações climáticas.

Apesar de as mudanças no clima serem uma pauta importante em diversos países – como mostrou o estudo -, para quase metade dos ouvidos globalmente, o tema não deve se sobrepor à retomada econômica. Entre todos os entrevistados das 14 nações, 44% acreditam que seus governos devem focar primeiro em ajudar a economia a se recuperar, mesmo que isso signifique tomar certas atitudes que tenham impacto negativo ao meio ambiente.

No Brasil, apenas 37% concordam com a afirmativa. Índia (63%), Rússia (55%), e Austrália (50%) são as nações que mais acreditam que o desempenho econômico deve vir em primeiro lugar, mesmo que seja necessário causar dano o meio ambiente. Os países com menor índice de concordância são Alemanha (36%), França (35%) e Japão (35%).

O que você pensa sobre o novo coronavírus?

O que você pensa sobre o novo coronavírus?

Temos visto diariamente uma série de pesquisas que mostram a opinião da população brasileira sobre o novo coronavírus.

Você já opinou? Nós queremos muito saber a sua opinião. 

Estamos no caminho certo? Você aprova o que vem sendo feito?

Acessa o link e responde pra gente. É muito importante saber o que você pensa sobre esse difícil momento que vivemos.

Vamos lá?!

https://pt.surveymonkey.com/r/Arayara_corona

93% dos brasileiros acreditam nas mudanças climáticas

A pesquisa “Realismo climático no Brasil” idealizada e desenvolvida pelo instituto Market Analysis revela que há quase unanimidade na opinião pública dos brasileiros: 93% acredita que o aquecimento é um problema, não uma ficção; que ele deriva das atividades humanas e não de ciclos naturais (90%); e que está vinculado às mudanças climáticas em vigor (84%).

Essas leituras indicam um grau de realismo climático bastante alto entre os brasileiros, apenas moderado pela convicção de que ainda há tempo e espaço para ajustes que permitam evitar uma tragédia global.

Veja mais dados da pesquisa aqui.

Americanos acreditam que a mudança climática é a questão mais importante hoje

Mais da metade dos adultos norte-americanos (56%) afirma que a mudança climática é a questão mais importante que a sociedade enfrenta atualmente. Apesar disso, 4 em cada 10 afirmam que não fizeram nenhuma mudança no comportamento para ajudar a combater as mudanças climáticas. Os dados são de uma nova pesquisa da American Psychological Association, realizada on-line de 12 a 16 de dezembro de 2019.

Sete em cada 10 dizem desejam fazer algo para combater a emergência climática. Só que 51% não sabem por onde começar a agir.

As pessoas estão tomando algumas medidas para combater as mudanças climáticas, com 6 em cada 10 dizendo que mudaram um comportamento para reduzir sua contribuição para as mudanças climáticas. Quase três quartos (72%) dizem que estão muito ou um pouco motivados para fazer mudanças.

Entre aqueles que já fizeram mudanças de comportamento para reduzir sua contribuição para as mudanças climáticas, quando perguntados por que não fizeram mais, 1 em cada 4 (26%) cita não ter recursos, como tempo, dinheiro ou habilidades.

Mais de dois terços dos adultos (68%) dizem que têm pelo menos um pouco de “eco-ansiedade” (definida como qualquer ansiedade ou preocupação com a mudança climática e seus efeitos). Esses efeitos podem ter um impacto desproporcional nos adultos mais jovens do país; quase metade das pessoas entre 18 e 34 anos (47%) diz que o estresse que sente sobre as mudanças climáticas afeta suas vidas diárias.

“As implicações para a saúde, econômicas, políticas e ambientais das mudanças climáticas afetam a todos nós. As conseqüências para a nossa saúde mental são profundas”, disse Arthur C. Evans Jr., Ph.D., diretor executivo da APA. “Como as mudanças climáticas são criadas em grande parte pelo comportamento humano , os psicólogos continuam estudando maneiras pelas quais podemos encorajar as pessoas a fazer mudanças comportamentais – grandes e pequenas – para que coletivamente possamos ajudar nosso planeta”.

Pesquisas psicológicas nos mostram que, quando as pessoas aprendem e experimentam os impactos climáticos locais, sua compreensão dos efeitos das mudanças climáticas aumenta. Um quarto daqueles que ainda não fizeram uma mudança de comportamento para reduzir sua contribuição para a mudança climática afirmam ter sofrido impactos ambientais da mudança climática (por exemplo, desastres naturais , condições climáticas extremas) (25%) ou ter visto os impactos ambientais da mudança climática em seus países. comunidade (24%) os faria querer tentar reduzir sua contribuição para as mudanças climáticas.

As mudanças de comportamento mais comuns que as pessoas já fizeram ou estão dispostas a fazer incluem: reduzir o desperdício, incluindo a reciclagem (89%); modernização do isolamento em suas casas (81%); limitar o uso de utilidades domésticas (79%); usar fontes de energia renováveis , como painéis solares ou comprar eletricidade de um fornecedor de energia renovável (78%); consumir menos em geral (77%); ou limitar as viagens aéreas (75%).

É menos provável que os adultos digam que mudaram ou estão dispostos a mudar os hábitos diários de transporte (por exemplo, carro compartilhado, dirigir um veículo elétrico ou híbrido, usar transporte público, caminhar ou andar de bicicleta) (67%) ou sua dieta (por exemplo, comer menos vermelho carne ou mudar para uma dieta vegetariana ou vegana) (62%).

A maioria (70%) também diz que já tem ou está disposto a tomar medidas, como trabalhar com sua comunidade para reduzir as emissões, por exemplo, instalando ciclovias, hospedando mercados de agricultores ou usando painéis solares comunitários . E quase 6 em 10 (57%) afirmam que já têm ou estão dispostos a escrever ou pressionar os funcionários eleitos sobre ações relacionadas às mudanças climáticas com uma proporção semelhante (57%) dizendo que já têm ou estão dispostos a ingressar em uma organização ou comitê ação de mudança climática.

As motivações mais comuns para mudanças de comportamento entre aqueles que tomaram medidas para reduzir sua contribuição para as mudanças climáticas estão querendo preservar o planeta para as gerações futuras (52%), seguidas de notícias sobre as mudanças climáticas e seus impactos nas notícias (43%) .

Cada um de nós pode ajudar a combater as mudanças climáticas com pequenos hábitos diários. Não precisa de dinheiro, tempo ou grandes mudanças. Mas é preciso persistência e, mais importante ainda, convencer mais pessoas todos os dias a se rever seus hábitos também.

Com informações do Meio Ambiente Rio