Escolha uma Página
Em meio ao coronavírus, emissões de CO2 da Índia caem pela primeira vez em quatro décadas

Em meio ao coronavírus, emissões de CO2 da Índia caem pela primeira vez em quatro décadas

Uma desaceleração econômica, o crescimento de energia renovável e o impacto do Covid-19 levaram à primeira redução ano a ano nas emissões de CO2 da Índia em quatro décadas. As emissões caíram cerca de 1% no ano fiscal encerrado em março de 2020, com o consumo de carvão diminuindo e o consumo de petróleo, nivelado.

O declínio nas emissões reflete os ventos contrários que já afetam a economia indiana desde o início de 2019 e aumentam a geração de energia renovável. Mas nossa análise dos dados oficiais indianos em todo o ano fiscal de 2019-20 do país mostra que a queda se acentuou em março, devido a medidas para combater a pandemia de coronavírus. As emissões de CO2 do país caíram cerca de 15% durante o mês de março e provavelmente caíram 30% em abril.

Assim como o impacto global da pandemia de CO2, as perspectivas de longo prazo para as emissões da Índia serão moldadas, em grau significativo, pela resposta do governo à crise. Essa resposta está começando a surgir – como descrito abaixo – e terá implicações importantes a longo prazo nas emissões de CO2 da Índia e na trajetória da qualidade do ar.

Carvão com impacto da demanda

Como o menor crescimento da demanda por energia e a concorrência de fontes renováveis ​​enfraqueceram a demanda por geração de energia térmica nos últimos 12 meses, a queda em março foi suficiente para empurrar o crescimento da geração para menos de zero no ano fiscal encerrado em março, a primeira vez que isso aconteceu em três décadas.

Na década anterior, a geração de energia térmica cresceu em média 7,5% ao ano. Como visto na figura abaixo, a queda dramática na demanda total de energia foi totalmente suportada pelos geradores à base de carvão, ampliando o impacto nas emissões.

A geração de energia a carvão caiu 15% em março e 31% nas três primeiras semanas de abril, com base em dados diários da rede nacional. Por outro lado, a geração de energia renovável (ER) aumentou 6,4% em março e teve uma ligeira queda de 1,4% nas três primeiras semanas de abril.

A queda na demanda total de carvão se estende além do setor de energia e é evidente nos dados sobre o suprimento de carvão. No ano fiscal encerrado em março, as vendas de carvão do principal produtor de carvão, Coal India Ltd, caíram 4,3%, enquanto as importações de carvão aumentaram 3,2%, implicando que as entregas totais de carvão caíram 2% e sinalizando a primeira queda anual do consumo em duas décadas.

A tendência se acentuou em março, com as vendas de carvão caindo 10%, enquanto as importações de carvão caíram 27,5% em março, o que significa que as entregas totais de carvão aos usuários finais caíram 15%, em linha com a redução na geração de energia.

Em março, a produção de carvão aumentou 6,5%, mesmo com as vendas caindo um valor recorde. Além disso, durante o ano inteiro, mais carvão foi extraído do que vendido, indicando que o motivo da queda foi do lado da demanda.

Demanda de petróleo: de fraca a negativa

Semelhante à demanda de eletricidade, o consumo de petróleo está diminuindo desde o início de 2019. Isso agora é agravado pelo impacto dramático das medidas de bloqueio do Covid-19 no consumo de petróleo no transporte. Durante o bloqueio nacional, o consumo de petróleo caiu 18% em março de 2020.

Como resultado da baixa demanda devido ao surto de coronavírus e do crescimento da demanda já mais lento no início do ano, o consumo durante o fiscal cresceu 0,2%, o mais lento em pelo menos 22 anos. O consumo de gás natural aumentou 5,5% nos primeiros 11 meses do ano fiscal, mas espera-se uma queda de 15 a 20% durante o bloqueio.

A produção de petróleo na Índia diminuiu 5,9% em comparação com o ano fiscal passado e uma queda de 5,2% foi observada na produção de gás natural durante o mesmo período. A produção da refinaria – em termos de petróleo bruto processado – também caiu 1,1% no último ano financeiro, em comparação com 2018-19.

A produção de aço bruto caiu 22,7% em março de 2020 em relação ao mês anterior e, cumulativamente, o exercício financeiro de 2019-20 registrou uma queda de 2,2% em relação ao ano passado, segundo dados do Ministério do Aço.

Emissões de CO2 caem 30% em abril

Usando os indicadores acima para o consumo de carvão, petróleo e gás, estimamos que as emissões de CO2 caíram 30 milhões de toneladas de CO2 (MtCO2, 1,4%) no ano fiscal encerrado em março, no que provavelmente foi o primeiro declínio anual em quatro décadas.

Leia a reportagem completa aqui.

Índia: as crianças que trabalham no “inferno” de carvão de Jharia

Por entre a fumaça tóxica, centenas de crianças – algumas com apenas quatro anos – transportam, à cabeça, cestos de pedras negras que pesam quase o mesmo que o seu próprio corpo. Colina acima, cobertas de fuligem, caminham em direcção ao local onde depositam o suado resultado do seu esforço. Uma tarefa monumental que remete para o castigo de Sísifo: diário, repetitivo, tortuoso.

 

“Inferno” foi a palavra que o fotógrafo indiano Supratim Bhattacharjee escolheu para descrever as minas de carvão de Jharia. E garante que não está exagerando. Este não é um lugar comum; afinal, aqui lavra, há mais de um século, um dos incêndios mais antigos do mundo. E, em simultâneo, outros 69 que, apesar de mais jovens, são igualmente nocivos. As chamas, o calor infernal e o esforço escravo compõem o retrato do local.

 

É com as próprias mãos, com recurso a picaretas e a força bruta, que as crianças de Jharia recolhem as pedras. O trabalho será convertido em menos de dois euros por dia. “A população é tão pobre que as crianças são forçadas a trabalhar e, ainda assim, sofrem de malnutrição”, explica o fotógrafo indiano. O dinheiro ganho por elas é trocado por arroz, a base da sua deficitária alimentação. “Colocar os filhos na escola é um sonho para os pais, nesta região.” É a pobreza destes, também trabalhadores da mina, que obriga as crianças a abdicar da escola. E é a iliteracia que as mantém “escravas” do carvão enquanto adultas. O ciclo é vicioso. E, sem intervenção, refere Supratim, é parca a esperança de ver algo mudar.

O carvão alimenta, mas mata devagar. “Aqui, a morte está presente todos os dias”, lamenta Supratim, em entrevista ao P3. Mortes por esmagamento, intoxicação e doença prolongada são as mais comuns. O fotógrafo indiano conhece a fundo esta realidade; a série de fotografias que criou, The Curse of Coal – “A Maldição do Carvão”, em tradução livre –, resulta de seis anos de trabalho. Gases tóxicos que estão presentes em grande densidade no ar da mina, como dióxido e monóxido de carbono, ou óxido de nitrogénio, são a causa de problemas pulmonares, dermatológicos, oftalmológicos. 

Existe uma larga parcela de trabalhadores da mina que se encontram em situação ilegal, grupo no qual se incluem todas as crianças. “Existem máfias que subcontratam, à força, estas pessoas, e ficam com grande parte do seu lucro diário”, explica o fotógrafo. Por esse motivo, a presença da polícia no local é frequente – e as crianças são o seu principal alvo. Não raramente são forçadas a fugir, deixando para trás o fruto da sua jorna. 

75% da electricidade que a Índia consome provém da combustão de carvão, o que torna o país num dos principais emissores de CO2 do planeta, a seguir à China e aos Estados Unidos. Apenas em Jharia são extraídas 32 milhões toneladas de carvão por ano e ainda existem, em reserva, cerca de 19,4 mil milhões de toneladas para extracção, pelo que não existe previsão de encerramento. “A situação piora de dia para dia”, afirma o fotógrafo. “A exploração laboral aumenta, os salários diminuem. As condições de salubridade deterioram-se, a doença é cada vez mais frequente.” É urgente uma intervenção externa. “Gostaria que o meu projecto chegasse a pessoas de todo o mundo e que alguém fizesse algo por estas pessoas.”

Fonte: P3

CARVÃO AQUI NÃO
Diga não ao carvão! Assine nossa petição:
https://campanhas.arayara.org/carvaoaquinao