Escolha uma Página
De um lado, a queda dos combustíveis fósseis. Do outro, o aquecimento global

De um lado, a queda dos combustíveis fósseis. Do outro, o aquecimento global

A notícia boa é que a previsão é sombria para as emissões de carbono e o consumo de carvão e petróleo no mundo. A ruim é que ainda caminhamos para um aquecimento global de mais de 3 graus em menos de 100 anos, e devemos fazer o que for preciso para mudar esse cenário.

É o que aponta a New Energy Outlook 2020 – análise anual da BloombergNEF sobre o futuro da economia de energia.

De acordo com o estudo, as emissões globais de carbono relacionadas ao consumo de energia caíram 8% em 2020.

Apesar de subirem novamente com a recuperação da economia, nunca mais irão atingir os níveis de 2019.

A queda na demanda de energia durante a pandemia removerá cerca de 2,5 anos de emissões do setor até 2050.

A demanda de carvão também está em queda livre em toda a Europa e nos Estados Unidos, tendo atingido seu pico em 2018. A de petróleo vai atingir o pico em 2035 e tecnologias de energia limpa só tendem a avançar.

Novas alternativas de energia

O crescimento dos veículos elétricos compensa o crescimento da demanda na aviação, navegação e petroquímica, e molda o futuro do petróleo. A eficiência energética em outros setores só aumenta.

As energias eólica e fotovoltaica crescerão para atender 56% da demanda mundial de eletricidade em 2050. Os países líderes podem chegar a 80%.

Essas formas de energia limpa – junto às baterias – vão levar 80% dos 15,1 trilhões de dólares investidos em nova capacidade de energia nos próximos 30 anos, de acordo com a análise.

Fonte: BloombergNEF New Energy Outlook 2020

Altas temperaturas e mudanças climáticas

O mundo ainda caminha para um aumento de temperatura.

Apesar da recente queda, as emissões de carbono aumentam novamente com a recuperação econômica em 2027. Depois diminuem 0,7% ano a ano até 2050, levando o mundo a caminho de um aquecimento de 3,3 graus até 2100.

Segundo o relatório, para conter as mudanças climáticas e manter o aquecimento global abaixo de dois graus, as emissões precisam cair 10 vezes mais rápido, em 6% ano a ano até 2050. Para 1,5 grau, a taxa exigida é 10%.

Leia também: Eleições e os riscos climáticos no Brasil

Um dos principais componentes da NEO 2020 é buscar direções para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Este ano, a energia limpa e o hidrogênio verde foram os pontos de abordagem para encontrar direções que levem à descarbonização profunda.

Temos um longo caminho pela frente para pular de 0,7% para 10% na queda das emissões. Por isso, a sociedade precisa agir e cobrar agora.

O Instituto Arayara vem buscando todas as formas de mudar essa previsão, através de ações públicas, petições, elaborando iniciativas com a população e organizações, e participando de movimentos mundiais de combate às mudanças climáticas, como o Acordo de Glasgow.

Níveis globais de metano aumentam e batem recorde

Níveis globais de metano aumentam e batem recorde

Os níveis globais de metano atingiram o nível mais alto desde o que parece ser um aumento atmosférico anual quase recorde no potente gás de efeito estufa.

A concentração de metano na atmosfera da Terra atingiu quase 1.875 partes por bilhão em 2019, acima das 1.866 partes por bilhão do ano anterior, de acordo com dados preliminares coletados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).

Se confirmado ainda este ano, seria o segundo maior aumento nos níveis de metano em mais de duas décadas. O NOAA começou a coletar dados globais de metano em 1983.

Embora o metano permaneça na atmosfera por apenas alguns anos, é 28 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono para reter o calor do sol, e representa uma ameaça cada vez mais grave aos esforços para combater o aumento do aquecimento global.

“Aqui estamos. É 2020, e não só não está caindo. Não é nivelado. Na verdade, é uma das taxas de crescimento mais rápidas que vimos nos últimos 20 anos “, disse à Scientific American Drew Shindell, cientista climático da Universidade de Duke.

No ano passado, os cientistas alertaram que níveis mais altos de metano dificultam ainda mais o alcance das metas estabelecidas pelo acordo de mudança climática de Paris.

Embora incertos sobre a fonte dos aumentos ano a ano, os pesquisadores da NOAA disseram anteriormente que muito disso vinha dos trópicos.

Eles acreditam que é provavelmente devido a mudanças microbianas nas zonas úmidas tropicais que expulsam o metano, potencialmente causadas por temperaturas mais quentes, o que equivale a um ciclo de feedback perigoso.

A hipótese é que, à medida em que o clima esquenta, aumenta a eficiência das comunidades microbianas que convertem matéria orgânica em metano.

Mas Rob Jackson, professor de ciências do sistema terrestre na Universidade de Stanford, disse que parte do aumento do ano passado provavelmente se deve também ao aumento da agricultura e do uso de gás natural.

Em seu relatório anual de sustentabilidade divulgado na semana passada, a empresa de combustíveis fósseis Shell revelou que suas emissões anuais de metano eram de 91.000 toneladas, ante 92.000 no ano anterior.

Fonte: The Independent