Escolha uma Página
“Litoral catarinense está salvo”, diz Paulinha após empresas não se interessarem por exploração de petróleo

“Litoral catarinense está salvo”, diz Paulinha após empresas não se interessarem por exploração de petróleo

“Foi uma vitória para Santa Catarina e um dia histórico para a nossa economia. Nosso litoral, nosso turismo, nossa pesca ficaram livres da exploração de petróleo e gás”, afirmou uma emocionada e exultante deputada Paulinha ao informar em um vídeo em suas redes sociais que a 17ª rodada de leilões para a concessão de áreas de petróleo e gás no litoral de Santa Catarina promovido pela ANP fracassou e que o litoral de Santa Catarina está salvo.

As petroleiras participantes do leilão, inclusive a Petrobrás, foram comedidas devido ao alto risco das localidades ofertadas e manifestações em frente ao hotel do evento. Apenas a Shell e a Ecopetrol arremataram 5 dos 92 blocos ofertados, todos localizados na bacia de Santos. Demais blocos seguirão para a oferta permanente da ANP. 

” Obrigado a todos que mobilizaram, ajudaram e estiveram presentes em prol do nosso litoral catarinense. Nossa economia, nossa fauna marinha, pesca e tainha seguem em segurança. Muito obrigado meus parceiros! Essa vitória é nossa”, afirmou. A parlamentar fez um agradecimento especial ao Instituto Arayara, ao Observatório do Petróleo e Gás e a UFSC. 

Mobilização

Coordenadora da Frente Ambientalista Parlamentar, ela defendia a imediata interrupção da 17ª rodada de leilões para exploração de petróleo e gás em Santa Catarina.  

E justificava: Santa Catarina não foi ouvida e não existiam estudos técnicos preliminares a respeito dos riscos para o litoral dessa exploração de petróleo e gás.  

Mais de 1,5 milhão de catarinenses aderiram às petições se engajando no movimento #MarSemPetroléo preocupados com o futuro do litoral catarinense. Havia a previsão de perdas de 300 mil empregos na cadeia produtiva da pesca em Santa Catarina, de acordo com dados do Observatório do Petróleo.   

Vinte e nove municípios do litoral catarinense corriam o risco direto de sofrerem impactos ambientais ocasionados pela atividade petrolífera em Santa Catarina. Vale destacar que Santa Catarina tem o maior polo pesqueiro do país, com 337 localidades onde ocorre a pesca artesanal. ” Santa Catarina possui mais de 130 espécies de peixes comercializados. A pesca da tainha corre o risco de acabar”, disse a parlamentar. 

Sem falar dos danos ambientais, alerta. ” Corremos o risco de lidarmos com vazamentos de petróleo, como o ocorrido no litoral do Nordeste, em agosto de 2019, que causou um enorme prejuízo econômico (turismo e pesca), na saúde e para a biodiversidade”. 

Em 5 de agosto, Paulinha coordenou a audiência pública, que discutiu “Os impactos econômicos e socioambientais da exploração de petróleo no litoral catarinense”. Ela contou com o apoio do deputado Padre Pedro (PT).

08/10/2021

Fonte: https://visornoticias.com.br/litoral-catarinense-esta-salvo-diz-paulinha-apos-empresas-nao-se-interessarem-por-exploracao-de-petroleo/amp/