Escolha uma Página

“Foi uma vitória para Santa Catarina e um dia histórico para a nossa economia. Nosso litoral, nosso turismo, nossa pesca ficaram livres da exploração de petróleo e gás”, afirmou uma emocionada e exultante deputada Paulinha ao informar em um vídeo em suas redes sociais que a 17ª rodada de leilões para a concessão de áreas de petróleo e gás no litoral de Santa Catarina promovido pela ANP fracassou e que o litoral de Santa Catarina está salvo.

As petroleiras participantes do leilão, inclusive a Petrobrás, foram comedidas devido ao alto risco das localidades ofertadas e manifestações em frente ao hotel do evento. Apenas a Shell e a Ecopetrol arremataram 5 dos 92 blocos ofertados, todos localizados na bacia de Santos. Demais blocos seguirão para a oferta permanente da ANP. 

” Obrigado a todos que mobilizaram, ajudaram e estiveram presentes em prol do nosso litoral catarinense. Nossa economia, nossa fauna marinha, pesca e tainha seguem em segurança. Muito obrigado meus parceiros! Essa vitória é nossa”, afirmou. A parlamentar fez um agradecimento especial ao Instituto Arayara, ao Observatório do Petróleo e Gás e a UFSC. 

Mobilização

Coordenadora da Frente Ambientalista Parlamentar, ela defendia a imediata interrupção da 17ª rodada de leilões para exploração de petróleo e gás em Santa Catarina.  

E justificava: Santa Catarina não foi ouvida e não existiam estudos técnicos preliminares a respeito dos riscos para o litoral dessa exploração de petróleo e gás.  

Mais de 1,5 milhão de catarinenses aderiram às petições se engajando no movimento #MarSemPetroléo preocupados com o futuro do litoral catarinense. Havia a previsão de perdas de 300 mil empregos na cadeia produtiva da pesca em Santa Catarina, de acordo com dados do Observatório do Petróleo.   

Vinte e nove municípios do litoral catarinense corriam o risco direto de sofrerem impactos ambientais ocasionados pela atividade petrolífera em Santa Catarina. Vale destacar que Santa Catarina tem o maior polo pesqueiro do país, com 337 localidades onde ocorre a pesca artesanal. ” Santa Catarina possui mais de 130 espécies de peixes comercializados. A pesca da tainha corre o risco de acabar”, disse a parlamentar. 

Sem falar dos danos ambientais, alerta. ” Corremos o risco de lidarmos com vazamentos de petróleo, como o ocorrido no litoral do Nordeste, em agosto de 2019, que causou um enorme prejuízo econômico (turismo e pesca), na saúde e para a biodiversidade”. 

Em 5 de agosto, Paulinha coordenou a audiência pública, que discutiu “Os impactos econômicos e socioambientais da exploração de petróleo no litoral catarinense”. Ela contou com o apoio do deputado Padre Pedro (PT).

08/10/2021

Fonte: https://visornoticias.com.br/litoral-catarinense-esta-salvo-diz-paulinha-apos-empresas-nao-se-interessarem-por-exploracao-de-petroleo/amp/

Compartilhe a informação.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •