Pesquisa: 90% concorda com isolamento social e 8% aprova a atuação do presidente Bolsonaro

Pesquisa: 90% concorda com isolamento social e 8% aprova a atuação do presidente Bolsonaro

Escuta exclusiva feita pela ARAYARA.org com seus assinantes a apoiadores mostra que 90% concorda com as medidas de contenção ao novo coronavírus impostas pelas autoridades (fechamento de escolas, igrejas, comércio, entre outros).

87% afirma que o isolamento social deve continuar porque o pior está por vir

71% acredita que vai aumentar o número de casos e mortes pelo novo coronavírus no seu estado

63% se informa sobre a pandemia pela televisão

63% aprova a atuação do prefeito da cidade onde mora no enfrentamento à pandemia

60% aprova a atuação do governador do estado onde mora no enfrentamento à pandemia

8% aprova a atuação do presidente Bolsonaro no enfrentamento à pandemia

Coronavírus: “A vacina é a única solução para o controle da pandemia”

Coronavírus: “A vacina é a única solução para o controle da pandemia”

Mais de cem estudos já foram anunciados, mas cinco estão mais avançados; velocidade do processo é recorde

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, foi enfático, na semana passada, ao dizer que as pessoas, em todo o mundo, não terão vidas normais enquanto não for descoberta vacina que imunize contra a COVID-19. Nessa direção, foi iniciada corrida internacional para a descoberta científica que terá importante peso para a humanidade, incluindo a saúde e equilíbrio socioeconômico.

Desde o início da pandemia de Covid-19, mais de cem testes diferentes de vacinas contra o vírus causador da doença foram anunciados mundo afora — e pelo menos cinco dessas possíveis.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou que três vacinas contra a COVID-19 estão em fase de testes clínicos. No entanto, na plataforma Clinical Trial, estão registradas sete. Além disso, pelo menos outras 70 estão sendo estudadas, segundo a entidade.

A base de dados em que são cadastrados os ensaios clínicos mais importantes em todo o mundo é hospedada pela Biblioteca de Medicina do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (National Institute of Health – NIH). Trata-se da plataforma clinicaltrial.org. De acordo com os dados públicos dessa plataforma, existem, na atualidade, em todo o mundo, sete vacinas contra a COVID-19 em fase de ensaio clínico, ou seja, em que já estão sendo realizados testes em seres humanos: na China (três), Estados Unidos, Austrália, Reino Unido e uma sem  identificação da localidade no registro.

As vacinas que o Brasil está desenvolvendo ainda não chegaram em ensaio clínico. Os testes em humanos ocorrem depois que os protótipos vacinais em estudo apresentam eficácia in vitro e em modelo animal, quando estão prontos para ir para o ser humano”, explica Jordana.
A vacina é a melhor maneira de se proteger e lidar com infecções respiratórias, de acordo com o presidente da Sociedade Mineira de Infectologia, Estêvão Urbano.

“A principal solução para qualquer infecção viral que tenha poder de causar pandemias é a vacinação em massa. A população desenvolve anticorpos, inclusive com efeito rebanho, em que as vacinadas protegem as não vacinadas”, afirma. Com a vacinação, destaca o especialista, o sistema imune “aprende” a combater e eliminar o micro-organismo. “O vírus não encontra hospedeiro suscetível para ele se multiplicar e perpetuar a infecção. Então, uma vacina seria muito importante, embora pouco provável a curto prazo”, completa Estêvão.

O estudo mais avançado é a partir de uma droga originalmente usada na prevenção ao ebola. A pesquisa é liderada por empresa chinesa com o Instituto de Biotecnologia de Pequim e tem financiamento do Ministério de Ciência e Tecnologia do país asiático.

As bases das vacinas em teste são diferenciadas. Em um dos estudos, a vacina de mRNA é constituída por uma fita de ácido nucleico (RNA) que contém uma mensagem, ou seja, a informação para uma proteína do coronavírus Sars-CoV-2, chamada Spike. Um outro tipo de vacina envolve a aplicação de adenovírus, um vírus atenuado que não causa doença em humano. Uma das vacinas se baseia em um adenovírus modificado expressando a proteína Spike, o que se chama de quimera viral (híbrido de dois vírus). O adenovírus usado pode ser humano ou de chimpanzés.
Depois de entrar na fase de ensaios clínicos, os estudos podem levar ainda de dois a cinco anos para, enfim, as vacinas estarem disponíveis.

“As vacinas demoram muito para ser desenvolvidas, em espaço de anos. Para a vacina do ebola, por exemplo, foram cinco anos, o que é um tempo médio bom. Foi até rápido. Esforços mundiais estão em curso para encurtar o tempo de produção da vacina contra o Sars-CoV-2 para um a três anos”, afirma. A necessidade de tempo para realizar a pesquisa científica é fundamental. “As descobertas científicas precisam de muito tempo, muito planejamento e estratégia para que as vacinas funcionem da maneira que a gente quer. Às vezes, vai para estudo clínico e não funciona, apesar de in vitro ter dado muito certo”, explica Jordana.

Apesar de ser chamado de novo coronavírus, a vacina para o Sars-CoV-2 já poderia ter sido encaminhada. A pesquisadora lembra que já havia duas variantes do vírus circulando, os coronavírus Sars e o Mers. “O Sars causa a síndrome respiratória grave. Tivemos um surto na região asiática. O Mers tem taxa de letalidade de 40%. Se o Mers se espalhasse, a crise seria mais grave. No entanto, a transmissibilidade não se compara ao Sars-CoV-2”, diz Jordana. A pesquisadora afirma que o mundo precisa se preparar para vírus letais, investindo em pesquisa e desenvolvimento de vacinas e antivirais antes que as pandemias ocorram.  

Mesmo que se encontre um medicamento para tratamento, o fármaco não impede que a pessoa repasse a doença. “Os medicamentos não impedem o tamanho da epidemia só mitigam os efeitos causados na pessoa doente. A vacina é a única solução para o controle da pandemia”, argumenta.

País tem 3.058 casos de covid-19 em um dia e total sobe para 28.320

País tem 3.058 casos de covid-19 em um dia e total sobe para 28.320

O Brasil bateu recorde de casos confirmados do novo coronavírus (covid-19) em um dia. De acordo com a atualização dos números divulgada pelo Ministério da Saúde, nesta quarta-feira (15), foram registrados 3.058 casos de infecção pelo novo coronavírus, totalizando 28.320. O número de mortes em 24 horas foi de 204, totalizando 1.736 óbitos em todo o país.

O aumento no número de casos foi de 12% em relação ao dia de ontem (14), quando foram contabilizados  25.262, e de 27% em relação a segunda-feira (13), quando o balanço do Ministério da Saúde indicava 22.169 pessoas infectadas.

Já o número de óbitos subiu 13% em relação a ontem, quando o país contabilizava 1.532 mortes. Na comparação com segunda-feira, quando eram 1.223 óbitos, representou uma elevação de 42%.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, participou de entrevista coletiva ao lado de outros representantes da pasta para falar sobre as ações de enfrentamento à covid-19 e detalhar os dados sobre a doença no país.

Números nos estados

São Paulo concentra o maior número de óbitos (778), com três vezes o número do segundo colocado, o Rio de Janeiro (265). Os estados são seguidos por Pernambuco (143), Ceará (116) e Amazonas (106).  

Além disso, foram registradas mortes no Paraná (38), Maranhão (34), Minas Gerais (30), Santa Catarina (28), Bahia (27), Pará (21), Paraíba (21), Rio Grande do Norte (19), Rio Grande do Sul (19), Espírito Santo (18), Distrito Federal (17), Goiás (15), Piauí (oito), Amapá (sete), Alagoas (cinco), Sergipe (quatro), Mato Grosso do Sul (quatro), Mato Grosso (quatro), Acre (três), Roraima (três), Rondônia (duas) e Tocantins (uma).

A taxa de letalidade do país ficou em 6,1%, mesmo índice registrado ontem.

 Ministério da Saúde/Divulgação

Perfil das vítimas

Em relação ao perfil das vítimas dos óbitos em decorrência da covid-19, 60% são homens e 40%, mulheres. Pessoas acima de 60 anos representam 73%. A participação dessa faixa etária, considerada de risco, diminui. Há duas semanas era de cerca de 90%.

Entre as pessoas que morreram, 73% possuíam alguma doença, condição denominada pelos médicos de “fator de risco”. Do total de mortos, 502 tinham algum problema no coração, 508 estavam com diabetes, 152 apresentavam alguma complicação respiratória (pneumopatia) e 119 possuíam alguma condição neurológica.

As hospitalizações em razão da covid-19 chegaram a 6.634. Segundo o Ministério da Saúde, 21.746 pessoas hospitalizadas com Síndrome Aguda Respiratória Grave (SRAG) ainda estão tendo a causa investigada. Outras 13.232 possuem essa condição, em uma categoria definida pelo Ministério como “SRAG não especificado”.

Equipamentos

O ministro Mandetta comentou ainda as dificuldades no abastecimento de equipamentos de proteção individual e de aparelhos como ventiladores e respiradores. Ele voltou a reclamar do fato de que o maior fornecedor de insumos, a China, fechou as exportações durante fevereiro e boa parte do mês de março.

Mandetta acrescentou que já foram realizados diversos repasses a estados e municípios e que linhas de pesquisa sobre formas de tratamento estão sendo financiadas e em andamento.

Sobre a previsão para os próximos meses, o ministro ponderou que as autoridades ainda estão “conhecendo o vírus” e que a resposta não vai extinguir a pandemia “da noite para o dia”. 

O secretário executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, informou que hoje chegaram 159 respiradores e 300 mil máscaras para profissionais de saúde, adquiridos pela fábrica Suzano. Além disso, as lojas Americanas vão custear o transporte de 15 milhões de unidades de máscaras da China.

Fonte: Agência Brasil

Número de casos de covid-19 no Brasil é 15 vezes maior que o oficial, diz estudo

Número de casos de covid-19 no Brasil é 15 vezes maior que o oficial, diz estudo

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Brasília (UnB) afirmam que a subnotificação de casos de covid-19 no Brasil faz com que o número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no país seja bem maior do que o divulgado pelo Ministério da Saúde. 

Uma análise apresentada nesta terça-feira (14/04) pelo portal Covid-19 Brasil, que reúne cientistas e estudantes das duas universidades e de outras instituições de pesquisa, afirma que o total de infecções no país seria de mais de 313 mil, bem superior aos dados mais do Ministério da Saúde, que contabilizou 23.430 casos até esta segunda-feira.

A análise de modelagem numérica apresentada pelo portal revela que até o dia 11 de abril haviam 313.288 pessoas infectadas, número 15 vezes maior do que os dados oficiais para a mesma data, que eram de 20.727.

“Considerando a quantidade de 1.124 óbitos no dia 11/04, temos o valor ajustado estimado de população infectada, de 10 dias antes, do dia 01/04, de 104.368 pessoas, comparado aos 6.836 casos notificados tínhamos um percentual de 93,45% de subnotificação. Ao projetar o número de óbitos para o dia 21/04, obtemos o valor projetado estimado de população infectada do dia 11/04/2020 de 313.288, comparado à quantidade de notificados para o dia 11/04 de 20.727, temos 93,36% de subnotificação”, afirma o estudo divulgado no portal.

Apesar de ser o 14º país mais afetado pela pandemia, o Brasil está entre as nações que realizam menos testes em sua população. Se fosse levado em conta o número de casos subnotificados, o Brasil seria o segundo país mais afetado no globo, atrás apenas dos Estados Unidos. 

Os EUA testam 8,86 pessoas por milhão de habitantes, segundo dados do projeto Our World in Data, ligado à Universidade de Oxford e financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates. No Brasil, esse número é de apenas 296, segundo levantamento do jornal O Globo.

Para calcular o total de subnotificações das infecções no Brasil, os pesquisadores usaram como base de cálculo o número de mortes notificadas. Apesar de também haver subnotificação dos óbitos, este ainda é o indicador mais consolidado no país, segundo afirmou o pesquisador da USP Rodrigo Gaete ao Globo.

Os pesquisadores aplicaram a taxa de letalidade da Coreia do Sul e ajustaram os dados à pirâmide etária do Brasil. O país asiático foi escolhido como modelo por ser um dos poucos a possuir dados consolidados sobre os testes em massa, realizados desde o surgimento dos primeiros casos.

A modelagem numérica empregou ainda um ajuste no cálculo da mortalidade proposto por cientistas chineses na revista The Lancet, a partir de um deslocamento temporal entre o registro de óbitos e a confirmação de casos, “ajustado para o Brasil a 10 dias, dado que os testes têm sido realizados já em processo de agravamento da doenças e não nos sintomas iniciais”, segundo o estudo. Nesse cenário, a taxa de mortalidade real para o Brasil seria de 1,08%, bem abaixo dos 5,7% registrados oficialmente.

“O número de mortos ainda assim é enorme, e deve ser ainda maior, porque o número real de infectados é muito grande”, afirmou Gaete ao Globo.

Outro estudo realizado pelo Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), formado por cientistas da PUC-RJ e dos institutos Fiocruz e D’or, afirma que o Brasil pode ter tido até a última sexta-feira mais de 235 mil casos, número 12 vezes maior do que os divulgados pelo Ministério da Saúde.

Segundo os pesquisadores do NOIS, a taxa de notificação no Brasil é de apenas 8% dos casos reais de contaminação, o que prejudica uma melhor avaliação da necessidade de recursos hospitalares no país, como ventiladores médicos, leitos de UTI, entre outros.

Fonte: Deutsche Welle

Médicos chinos insisten en que el coronavirus puede transmitirse por el aire en sitios cerrados y también viaja en los zapatos

Médicos chinos insisten en que el coronavirus puede transmitirse por el aire en sitios cerrados y también viaja en los zapatos

Investigadores chinos estudiaron muestras de aire y de superficies en el hospital Huoshenshan, de Wuhan, y determinaron que el nuevo coronavirus contaba con una amplia presencia tanto en el aire —hasta a unos 4 metros de los pacientes— como en el suelo, depositándose en dispositivos electrónicos, cubos de basura, barandillas de las camas y otras superficies en la unidad de cuidados intensivos y en una sala general.  

Los científicos, que recolectaron las muestras entre el 19 de febrero y el 2 de marzo, destacaron ante todo la alta presencia del virus en el suelo, hecho que probablemente se debió a la simple gravedad, que arrastró el flujo aéreo de gotitas infectadas hacia abajo. En la unidad de cuidados intensivos había 15 pacientes graves, mientras que la sala general del hospital acogía a 24 pacientes con síntomas más leves.

“Además, mientras el personal médico camina por la sala, el virus puede ser rastreado por todo el suelo, según indicó la tasa del 100 % de positivos [en muestras tomadas] del suelo de la farmacia, donde no había pacientes“, explican en el estudio, que se publicará en la edición de julio de la revista Emerging Infectious Diseases, de los Centros para el Control y la Prevención de Enfermedades de EE.UU. (CDC).

Otro descubrimiento fue que la mitad de las muestras de las suelas de los zapatos del personal médico que trabaja en la unidad de cuidados intensivos dieron positivo al nuevo coronavirus. Los investigadores concluyeron que el calzado de médicos y enfermeros también puede ser portador del SARS-CoV-2 y vincularon con ello tres muestras positivas tomadas del piso en un vestidor.

En ese sentido, recomiendan altamente que cualquier persona que entre en una sala donde haya pacientes con covid-19 desinfecte las suelas de sus zapatos antes de salir del espacio potencialmente contaminado.

En lo que concierne a la transmisión del virus por el aire, se detectó aerosol de SARS-CoV-2 en el 35 % de las muestras tomadas en la unidad de cuidados intensivos y en el 12,5 % de las de la sala general con pacientes más leves. La concentración del virus variaba en función del lugar en el que se tomaban las muestras: así, el 35,7 % de los positivos se concentró cerca de las salidas de aire, el 44,4 % en las salas con los pacientes y el 12,5 % en la zona del consultorio del médico.

“Estos hallazgos indican que los aerosoles cargados de virus se concentraban principalmente cerca y hacia abajo de los pacientes. Sin embargo, el riesgo de exposición también estaba en la zona hacia arriba“, concluyeron los científicos chinos.

Fonte: https://actualidad.rt.com/actualidad/349797-coronavirus-transmision-aire-zapatos