Antártida: geleira está se tornando o cânion mais profundo do mundo e isso é péssimo

Antártida: geleira está se tornando o cânion mais profundo do mundo e isso é péssimo

Recentemente cientistas anunciaram a descoberta de algo absolutamente desconhecido e sem precedentes: um cânion de gelo com 3,5 quilômetros abaixo do nível do mar, confirmado como nada menos que o ponto mais profundo da superfície do planeta. Descoberto abaixo do glacial Denman, na parte oriental da Antártida, essa não é uma boa notícia: trata-se de um possível agravante para o derretimento dos glaciais do continente gelado ao sul, que pode piorar ainda mais o quadro crítico ao qual a Antártida se encaminha por conta dos efeitos da ação humana e das mudanças climáticas.

O estudo foi publicado na revista científica Geophysical Research Letters, e utilizou material recolhido por satélites ao longo de 20 anos monitorando o glacial Denman, um imenso bloco de gelo de 20 quilômetros de extensão na parte oriental do continente, assim como o bloco de pedra sobre o qual ele se localiza. A conclusão é que não só uma parte da geleira recuou cerca de 5 km entre 1996 e 2018, como que esse cânion gigante localizado abaixo do gelo por acelerar o derretimento com intensidade impossível de ser contornada.

(mais…)

Onda de calor derreteu 20% da neve de uma ilha Antártica em 9 dias

Uma onda de calor na Antártida gerou estragos. O calor derreteu cerca de 20% da neve de uma ilha Antártica em apenas nove dias. As informações são da da NASA, que divulgou imagens mostrando a formação de lagos de água derretida onde a neve estava.

“Não vi lagoas de derretimento se desenvolverem rapidamente na Antártida”, disse Mauri Pelto, glaciologista do Nichols College, em Massachusetts, em comunicado. “Você vê esses tipos de eventos de derretimento no Alasca e na Groenlândia, mas geralmente não na Antártica.”

Pelto disse que durante a onda de calor, que atingiu o pico de 6 a 11 de fevereiro, a neve na Ilha da Águia derreteu 10 cm. Isso significa que cerca de 20% da neve sazonal na região derreteu neste único evento na Ilha da Águia, disse Pelto.

Ele acrescentou que esse derretimento rápido é causado por altas temperaturas sustentadas significativamente acima do congelamento. Esse calor persistente não era típico da Antártica até este século, mas se tornou mais comum nos últimos anos, disse a NASA.

A onda de calor de fevereiro foi o terceiro grande evento de derretimento do verão de 2019-2020, após períodos de calor intenso em novembro de 2019 e janeiro de 2020. “Se você pensar nesse evento de fevereiro, não é tão significativo”, disse Pelto. mais significativo que esses eventos ocorram com mais frequência “.

Tem sido um verão agitado para as notícias climáticas do continente mais frio do mundo. Além do calor recorde, um iceberg com o dobro do tamanho de Washington, DC, quebrou uma geleira lá. Além disso, os cientistas relataram que a “geleira do dia do juízo final” do continente está derretendo por baixo, devido à água morna incomum.

Fonte:

Mudanças climáticas reduzem população de pinguins de barbicha em até 77% na Antártica

Com base em números contabilizados desde a década de 1970, cientistas que estudam as mudanças do clima apontam uma redução de até 77% no número de pinguins de barbicha em algumas colônias da Antártica.

O pinguim de barbicha, assim chamado por causa da faixa negra estreita que tem debaixo da cabeça, habita as ilhas e costas do Pacífico Sul e os oceanos Antárticos. A espécie se alimenta de krill, animal invertebrado semelhante ao camarão.

“A diminuição que vimos é dramática”, disse Steve Forrest, um biólogo conservacionista que se juntou a uma equipe de cientistas das universidades norte-americanas de Stony Brook e Northeastern em uma expedição recém-concluída.

“Algo está acontecendo com os componentes básicos fundamentais da cadeia alimentar. Temos menos abundância de alimentos, o que está fazendo com que estas populações diminuam cada vez mais, e a pergunta é: isso continuará?”

Os cientistas, que viajaram em dois barcos do Greenpeace – o Esperanza e o Arctic Sunrise – realizaram a expedição entre 5 de janeiro e 8 de fevereiro e utilizaram técnicas de inspeção manual e drones para avaliar a magnitude do dano.

O número de pinguins na Ilha Elefante se reduziu em cerca de 60% desde a última pesquisa, em 1971, chegando a menos de 53 mil casais reprodutores na atualidade, segundo a expedição.

“Embora haja vários fatores que podem explicá-lo, todas as provas que temos apontam para a mudança climática como responsável pelo que estamos vendo”, disse Heather Lynch, professora-associada de ecologia e evolução a Universidade Stony Brook.

Na semana passada, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) informou que uma base de investigação na Antártica registrou a temperatura mais alta já alcançada no continente em um contexto de preocupação crescente com o aquecimento global, que acelerou o descongelamento das calotas de gelo ao redor do polo sul.

O Greenpeace está pedindo à Organização das Nações Unidas (ONU) que se comprometa a proteger 30% dos oceanos do mundo até 2030, um objetivo solicitado pelos cientistas e por um número crescente de governos como o mínimo necessário para deter o estrago causado pela atividade humana.

Fonte: G1