Escolha uma Página
Petição pede boicote a produtos brasileiros na Alemanha por causa do desmatamento amazônico

Petição pede boicote a produtos brasileiros na Alemanha por causa do desmatamento amazônico

Mais de 300 mil alemães já se juntaram a um abaixo-assinado que demanda às três maiores redes de supermercado do país que não vendam produtos brasileiros em suas unidades em protesto à escalada do desmatamento na Amazônia.

O abaixo-assinado, lançado na semana passada pela ONG alemã Campact, menciona o PL 2.633 que tramita na Câmara propondo a flexibilização das regras para a regularização fundiária de uma tal maneira que pode incentivar novas invasões de Terras Públicas e desmatamento ilegal na Amazônia.

O pedido é endereçado às companhias Lidl, Edeka e Aldi Nord, três das maiores redes varejistas da Europa em faturamento. Caso o pedido seja bem sucedido, os produtos brasileiros podem perder até 70% do mercado varejista na Alemanha. A petição destaca também a reação de redes britânicas de varejo, que ameaçaram boicotar produtos do Brasil caso as propostas de regularização fundiária fossem aprovadas pelo Congresso Nacional no mês passado.

Este é só mais um exemplo dos impactos que a desastrosa política ambiental do governo Bolsonaro causa à imagem internacional do Brasil, trazendo por fim prejuízos ao comércio exterior do país.

ClimaInfo

Alemanha marca o primeiro trimestre com mais de 50% de eletricidade renovável

Alemanha marca o primeiro trimestre com mais de 50% de eletricidade renovável

A Alemanha produziu mais da metade de sua eletricidade com energia renovável nos três primeiros meses de 2020. Isso representa um aumento de cerca de 44% no primeiro trimestre de 2019. Os números foram impulsionados pela produção recorde de energia eólica em fevereiro, produção solar extraordinariamente alta em março e uma queda no uso geral de energia ligada à crise do coronavírus.

Combinados com alta geração de energia renovável em 2019, os números colocaram a Alemanha no caminho certo para cumprir suas metas de energia verde para 2020, apesar de uma desaceleração geral na expansão de energia renovável.

Por causa dessas circunstâncias incomuns, o BDEW alertou que é muito cedo para projetar se os números podem continuar daqui para frente. “O desempenho das energias renováveis ​​é muito encorajador. No entanto, devemos sempre ter em mente que este é apenas o retrato de um momento e inclui muitos eventos pontuais”, disse o chefe do BDEW, Kerstin Andreae em um comunicado. O BDEW também observou que os números refletem várias mudanças políticas subjacentes, incluindo o desligamento de usinas nucleares e a carvão, que foram desativadas no final de 2019.

A Alemanha prometeu produzir 18% de seu consumo total de energia com energias renováveis ​​até o final do ano. “A meta de 18% de energia renovável da UE em 2020 está ao nosso alcance”, afirmou o Ministro da Economia, Peter Altmaier.

No geral, a Alemanha usou um total de 148 bilhões de quilowatts-hora (kWh) de eletricidade no primeiro trimestre de 2020, uma queda de cerca de 2% em relação ao mesmo período de 2019 (151 bilhões de kWh). As energias renováveis ​​representam 51,9% desse total.

A maioria da energia renovável da Alemanha veio de energia eólica onshore, que supriu 28,9% das necessidades de eletricidade do país, acima dos 23,7% no primeiro trimestre de 2019.

Andreae acrescentou que os formuladores de políticas deveriam incluir energia renovável em qualquer resposta à crise do coronavírus. “A difícil situação econômica intensifica ainda mais a pressão para agir: é preciso garantir que novos investimentos sejam feitos na expansão das energias renováveis ​​para garantir o suprimento de energia de amanhã”, afirmou.

Especialistas estão prevendo que a pandemia de coronavírus causará uma profunda queda econômica e menores emissões de carbono na Alemanha. As projeções mostram agora que, dependendo da duração da crise, a Alemanha poderia cumprir ou até superar sua meta original de 2020 de reduzir as emissões de carbono em 40% abaixo dos níveis de 1990 – uma meta que o governo havia dito anteriormente que esperava perder por uma ampla margem.

Instalações fotovoltaicas ganham nova força na Europa

Instalações fotovoltaicas ganham nova força na Europa

Até 2012, a energia fotovoltaica prosperava na União Europeia (UE), como tecnologia do futuro, com a Alemanha à frente. Mas aí a política pisou o freio, firmas abriram falência, dezenas de milhares perderam o emprego, e a China assumiu no lugar da Europa o papel de líder da indústria solar.

“Agora entramos numa era de expansão da energia solar, ela floresce na UE”, anuncia Walburga Hemetsberger, diretora-geral da associação patronal SolarPower Europe. “Em 2019 foi instalada mais energia solar do que qualquer outra tecnologia de produção de eletricidade.”

Atualmente, cerca de 5% da demanda energética da UE é coberta por instalações fotovoltaicas. Em 2018 elas totalizavam uma capacidade de 115 gigawatts, e em 2019 esta cresceu em 17 gigawatts, mais do que o dobro do ano anterior, indica uma análise de mercado da SolarPower Europe.

A razão principal para esse recente sucesso foi a queda dos preços das instalações fotovoltaicas: hoje os módulos custam um quarto do que custavam em 2010, implicando também uma redução dos custos da energia solar.

Para abastecimento próprio, em geral ela é a mais econômica: a eletricidade produzida por módulos fotovoltaicos instalados em telhados custa menos de um terço da fornecida pela rede. E a energia proveniente dos parques solares europeus custa, em geral, cerca da metade da produzida pelas novas usinas nucleares a gás ou a carvão.

Outra vantagem perante as fontes fósseis é que a energia solar provoca muito menos danos de longo prazo ao meio ambiente, clima e saúde, como mostrou um estudo do Departamento Federal do Meio Ambiente (UBA) da Alemanha, sobre os custos consequentes da produção de energia. A produzida com linhito, por exemplo, provocou danos no valor de 78 bilhões de euros em 2019.

Fontes de energia do futuro

Especialistas em clima e energia concordam que o sol e o vento serão as mais importantes fontes de energia no futuro. E a redução de custos prevista, graças a inovações e produção em massa, acelera sua difusão.

O economista solar Christian Breyer, da Universidade Lappenranta (LUT), na Finlândia, calcula que os custos solares se reduzirão à metade nos próximos 20 anos: “Por volta de 2040, teremos eletricidade de grandes instalações fotovoltaicas nas regiões ensolaradas do mundo a bem menos de 0,01 euro por quilowatt-hora.

Junto com cientistas do independente Energy Watch Group, a LUT calculou como seria o mais barato abastecimento energético não danoso ao clima, na Europa: até 2050 o continente poderia cobrir toda sua demanda com 62% de energia solar, 32% de eólica, 4% de hidráulica e 2% de biomassa.

Para tal, é necessária uma grande ampliação das capacidades fotovoltaicas. Os 132 gigawatts atualmente produzidos na Europa teriam que “ser elevados até cerca de 5.700 gigawatts”, explica o coautor do estudo Hans-Josef Fell, da Energy Watch Group. “O cenário confirma que uma reviravolta em direção a energias renováveis é possível, sem ser mais cara do que o sistema energético atual.”

Nos próximos anos serão construídas na Europa usinas fotovoltaicas com capacidade total de cerca de 100 gigawatts, e em condições ideais até 145 gigawatts.

“Política tem que agir mais rápido”

“A ampliação da energia solar é uma boa notícia. No entanto não passa de um primeiro passo na direção certa”, comenta Claudia Kemfert, especialista em economia energética do Instituto Alemão de Pesquisas Econômicas (DIW).

Segundo ela, “precisa acontecer bem mais, se a Europa pretende cumprir as metas climáticas de Paris”. E recomenda que se melhorem as condições de subvenção para a energia fotovoltaica e se eliminem as barreiras existentes: os “impostos solares” da Alemanha, arrecadados dos inquilinos pelo consumo da energia dos telhados solares, geram custos adicionais e burocracia, impedindo a expansão fotovoltaica. Além disso, “os subsídios fósseis e nucleares deve ser inteiramente eliminados”, defende Kemfert.

Hans-Josef Fell urge a uma reavaliação em todos os níveis, pois “a comunidade mundial tem que agir de modo fundamentalmente mais radical”. Para limitar o aquecimento global a 1,5 ºC em relação aos níveis pré-industriais, seria necessário um acréscimo anual de 500 gigawatts de energia fotovoltaica à matriz da União Europeia, e “a comunidade terrestre deve encontrar até 2030 uma economia baseada em emissão zero de CO2”.

“A política tem que agir mais rápido”, apela Andreas Bett, diretor do Instituto Fraunhofer de Sistemas de Energia Solar (ISE). Ele vê positivamente o Acordo Verde Europeu da nova Comissão da UE, mas “do ponto de vista da velocidade, não basta para cumprir a meta dos 2 ºC: ou seja, precisamos impulsionar a reconfiguração energética de forma muito mais agressiva”.

A expansão solar também deverá ser impulsionada pelo abandono da energia de carvão mineral, liberando grandes áreas de mineração para instalações fotovoltaicas. Junto aos telhados solares, assim se poderá substituir a capacidade elétrica de todas as usinas de carvão da UE, segundo uma análise do Centro de Pesquisa da Comissão Europeia.

Fonte: Deutsche Welle

Alemanha investe € 40 bilhões para abandonar utilização do carvão

Alemanha investe € 40 bilhões para abandonar utilização do carvão

A Alemanha deve se tornar o primeiro país a abandonar simultaneamente a energia nuclear e a carvão sob um acordo histórico para compensar trabalhadores, empresas e governos regionais, ao desligar as usinas a carvão mineral até 2038.

O governo fechou um acordo no valor de mais de € 40 bilhões (o equivalente a US$ 44,7 bilhões) nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira com as autoridades das regiões de mineração de carvão da Alemanha. O montante será distribuído a empresas e trabalhadores afetados.

Há um ano, a Alemanha anunciou que abandonaria o carvão o mais tardar em 2038. Essa data pode ser adiantada em três anos, de acordo com o balanço a ser feito pelas autoridades em 2026 e 2029.

As usinas mais antigas e ‘sujas’, algumas datadas da década de 1950, serão as primeiras a serem desligadas, começando por uma usina de 300 MW na Renânia, que deve ser fechada ainda este ano. Nos próximos 18 anos, as 29 restantes terão suas atividades encerradas.

Foto: Wolfgang Rattay / Reuters

Alemanha torna proteção climática obrigação legal

A câmara baixa do parlamento alemão aprovou na última sexta-feira, 15, um forte pacote de medidas para combater as mudanças climáticas prevendo desde investimentos bilionários em energia, transporte e inovação até metas de redução de emissão de poluentes. O pacote também torna a proteção ao clima uma obrigação legal no país.

Um dos objetivos da nova legislação é garantir que a Alemanha reduza até 2030 suas emissões para 55% dos volumes registrados em 1990. Ao todo, a Alemanha deverá investir € 54 bi nos próximos quatro anos com esse objetivo. O dinheiro deve ser originado parcialmente de sobretaxas aplicadas em combustíveis fósseis.

As mudanças na legislação tributária vão, por exemplo, baratear viagens de trem e encarecer voos comerciais. Também haverá incentivos fiscais para aprimorar o isolamento térmico de residências, para reduzir o consumo de combustível com calefação.

A proposta da nova Legislação de Proteção ao Clima foi uma iniciativa do Executivo a partir do ministério do Meio Ambiente.