Realizamos, nesta quinta-feira (4 de março), o webinar sobre o Acordo de Glasglow para organizações da América Latina, onde apresentamos essa iniciativa, abordando os efeitos que o acordo terá nos países latino-americanos, quais são seus dispositivos e quais são os passos esperados para os próximos anos.

Durante o webinar, a diretora do Instituto Internacional Arayara, Nicole Oliveira, apresentou o acordo e destacou como o movimento pela justiça climática sempre esteve lutando por mudanças, na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP) e também fora dela, mas que a falta de ações concretas nestas iniciativas institucionais vem mudando o cenário.

“Há cada vez menos movimentos e ONGs que fazem parte da COP e do processo que envolve as instituições e os governos. Então, como podemos criar, como sociedade, uma ferramenta organizacional que reconheça o fracasso das instituições e se proponha a sacudir essa impotência institucional?”, ressaltou.

“Assim, o Acordo de Glasgow visa retomar a iniciativa de governos e instituições internacionais sobre ação climática, criando uma nova alternativa (inventário e agenda climática), além de um espaço de estratégia e coordenação para o movimento por justiça climática”, explica.

Veja a apresentação abaixo (em espanhol):

O Coordenador Nacional do Movimento Cidadão frente às Mudanças Climáticas (MOCICC) do Peru, Antonio Zambrano, destacou que “o Acordo de Glasgow visa ir além do que os governos e estados se comprometem a fazer. Todos sabem que esses compromissos que vêm sendo assumidos pelos governos são absolutamente insuficientes para deter o fenômeno das mudanças climáticas no mundo, incluindo os países da América Latina”.

Ao assinar este acordo, o movimento de justiça climática assume a necessidade de cortar coletivamente as emissões de gases de efeito estufa por meio de uma estrutura política de justiça climática.

Essas organizações se comprometem com o uso adequado de táticas para conseguir alcançar metas concretas e reconfigurar a economia que os governos e as instituições internacionais fracassaram totalmente em realizar.

Qualquer movimento ou organização social, de qualquer porte, localidade ou região, com exceção de partidos políticos, organizações empresariais e igrejas (grupos religiosos são bem-vindos!) pode participar do Acordo.

Compartilhe a informação.
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •