Lançamento de nova cartilha contra o fracking chama atenção de vereadores no Maranhão - Instituto Internacional Arayara
+55 (41) 9 8445 0000 arayara@arayara.org
Sensibilização dos legislativos municipais sobre os riscos do “gás da morte” é parte da campanha liderada pela Arayara e Coesus no estado O Instituto Internacional Arayara e a Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida (Coesus) lançaram, esta semana, uma nova cartilha com informações detalhadas sobre como se dá a exploração não convencional do gás de xisto por fraturamento hidráulico (fracking, em inglês) e os graves impactos ao meio ambiente e às pessoas, decorrentes desse método. O lançamento aconteceu durante o Encontro Nacional de Legislativos Municipais e Fórum da Mulher Vereadora do Maranhão, realizado na capital São Luís. A publicação apresenta de forma consistente e didática as informações sobre a técnica do fracking, com embasamento em dados técnico-científicos atualizados. Mostra, também, os prejuízos causados às atividades econômicas locais, especialmente à agricultura e pecuária, por conta da contaminação dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos, poluição do ar, além dos riscos de terremotos e os danos causados à saúde das pessoas e animais. A extensa lista de danos, muitos deles irreversíveis, é comprovada a partir da narrativa de casos reais, ocorridos em países como Estados Unidos e a vizinha Argentina, onde o fracking foi inadvertidamente permitido. Desconhecimento desse impacto A diretora de Educação e Projetos da Arayara e coordenadora de Engajamento e Comunidades da Coesus, Suelita Röcker, fez uma palestra durante o evento para apresentar a nova cartilha e a Campanha Não Fracking Brasil, que percorrerá municípios do Maranhão que estão na mira da indústria petrolífera. Segundo ela, a grande maioria dos vereadores presentes disse desconhecer a exploração não convencional do gás de xisto e seus malefícios. “Foi justamente para orientar e conscientizar os legislativos municipais que participamos desse encontro e o resultado foi muito positivo. São os legisladores que devem ser nossos principais aliados nessa mobilização contra o fracking e seu potencial destruidor”, afirmou Suelita, lembrando que o próximo passo será organizar audiências públicas regionais para discutir a proposição e aprovação de leis municipais que possam barrar o fracking. Por meio da Campanha Não Fracking Brasil, os legisladores dispõem de assessoramento e, inclusive, um modelo de projeto de lei municipal, que pode ser adaptado a cada município. Centenas de cidades brasileiras já aprovaram leis próprias para inviabilizar a exploração do fracking em seus territórios. Os estados do Paraná e Santa Catarina instituíram leis, proibindo o fracking em âmbito estadual. Confira a nova cartilha informativa da Campanha Não Fracking Brasil.