Escolha uma Página

Um relatório publicado hoje (20) pela Agência Internacional de Energia (IEA) aumenta a preocupação e coloca as esperanças climáticas ainda mais fora de alcance. As emissões de dióxido de carbono devem saltar este ano para o segundo maior aumento anual da história, à medida que as economias globais investem forte em combustíveis fósseis para recuperar as perdas econômicas causadas pela Covid-19.

O aumento deve afastar o planeta das metas climáticas, a menos que os governos ajam rapidamente, alertou a Agência Internacional de Energia.

O uso crescente de carvão – o combustível fóssil mais poluente – para eletricidade está causando o aumento das emissões, especialmente na Ásia, mas também nos Estados Unidos. A recuperação do carvão causa particular preocupação porque ocorre apesar da queda nos preços da energia renovável, que agora é mais barata do que o carvão.

Em entrevista ao jornal The Guardian, o diretor da IEA, Fatih Birol, considerado uma das maiores autoridades mundiais em energia e clima, disse: “Isso é chocante e muito perturbador. Por um lado, os governos hoje estão dizendo que a mudança climática é sua prioridade. Mas, por outro lado, estamos vendo o segundo maior aumento de emissões da história. É realmente decepcionante”.

As emissões precisam ser reduzidas em 45% nesta década, se o mundo quiser limitar o aquecimento global a 1,5 ° C (2,7 ° F), alertaram os cientistas. Isso significa que 2020 tem que ser a década da mudança de rumo, antes que o nível de carbono na atmosfera aumente muito, para evitar níveis perigosos de aquecimento. Mas a escala da atual recuperação das emissões da crise da Covid-19 significa que “nosso ponto de partida definitivamente não é bom”, disse Birol.

Birol comparou o atual aumento das emissões à crise financeira, quando as emissões aumentaram mais de 6% em 2010, depois que os países tentaram estimular suas economias por meio de energia de combustível fóssil barata. “Parece que voltamos a repetir os mesmos erros”, alertou ao jornal inglês. “Estou mais decepcionado desta vez do que em 2010.”

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está convocando uma cúpula do clima esta semana, com a expectativa de participação de líderes de 40 países, na qual ele irá demandar os países a apresentarem compromissos firmes na redução das emissões nesta década.

Dados alarmantes do relatório

A IEA é considerada o padrão para dados de energia e suas projeções para 2021 são baseadas em sondagens abrangentes de todo o mundo, incluindo dados de fontes de energia existentes e novas usinas programadas para entrar em operação.

Os dados de energia do final do ano passado mostraram os combustíveis fósseis à frente dos níveis de 2019, e o aumento continuou na primeira parte deste ano.

Em seu Global Energy Review, a IEA descobriu que as emissões globais de carbono do uso de energia, que responde pela grande maioria das emissões de gases de efeito estufa, estavam em curso para aumentar em 1,5 bilhão de toneladas em 2021, depois de ter caído no ano passado.

Isso representa um aumento de 5% para 33 bilhões de toneladas de dióxido de carbono no ano. Após mais de meia década de declínio, a demanda global por carvão deve crescer 4,5%, aproximando-se do pico de todos os tempos em 2014.

A China planeja construir dezenas de usinas termelétricas a carvão, apesar de prometer no ano passado atingir emissões líquidas zero até 2060. O uso de carvão também está aumentando nos EUA, revertendo as quedas anuais desde 2013.

“Não adianta que os países tenham a intenção de consolidar uma agenda climática séria e concreta quando andam na completa contramão disso. Realizam-se reuniões, criam-se metas, mas continuam investindo no que deveriam estar cortando de qualquer plano futuro. E o que veremos pela frente, se as mudanças não ocorrerem agora, é uma catástrofe climática anunciada”, reforça o diretor do Instituto Arayara, Juliano Bueno de Araújo.

Compartilhe a informação.
 
 
        more