Escolha uma Página

Microplásticos tomam o planeta e contribuem para ameaça à vida

Os microplásticos já estão presentes nos pontos mais altos e mais profundos do planeta – e até dentro do nosso corpo.

Eles foram encontrados na chuva, em núcleos de gelo ártico, dentro dos peixes que comemos, bem como em frutas e vegetais. Uma pesquisa das universidade de Toulouse e Strathclyde já sugere que 136 mil toneladas de microplásticos são ejetadas do oceano a cada ano, terminando no ar que respiramos. Eles estão em placentas humanas, nas nossas águas residuais e nossa água potável.

Todos os resíduos de plástico, independentemente do tamanho, são prejudiciais ao meio ambiente, mas os microplásticos representam um desafio especial devido ao tamanho – alguns são 150 vezes menores que um fio de cabelo humano – e capacidade de entrar na cadeia alimentar. O resultado é que todos os aditivos químicos acabam na carne e nos órgãos de peixes e humanos.

Vimos há alguns meses que os pequenos pedaços de plástico – que já haviam sido descobertos em 2018 a nada menos que 11 quilômetros de profundidade na trincheira de Mariana, no Oceano Pacífico -, agora foram encontrados no Monte Everest.

Esta é a primeira vez que microplásticos foram detectados no Everest.

Outra notícia que preocupa é a de que, pela primeira vez, um estudo conseguiu de fato confirmar a presença de microplásticos dentro da placenta humana, segundo uma matéria publicada na revista científica Environment International.

Muito nos preocupa que as primeiras vezes deste ineditismo estejam na degradação do meio ambiente e da saúde humana por conta da poluição que toma o planeta.

Sempre bom lembrar que os plásticos são um subproduto da extração de combustíveis fósseis. Os materiais empregados em sua fabricação provêm de petróleo, gás e carvão mineral.

Responsável pelo estudo no Everest, Imogen Napper, da Universidade de Plymouth, Reino Unido, e seus colegas coletaram oito amostras de água de riacho e de neve de diferentes pontos da montanha.

O resultado da pesquisa: A presença de microplásticos em todas as amostras de neve e três das amostras de fluxo.

Realmente me surpreendeu encontrar microplásticos em cada uma das amostras de neve que analisei. O Monte Everest é um lugar que sempre considerei remoto e intocado. Saber que estamos poluindo perto do topo da montanha mais alta é uma verdadeira revelação”, ressaltou Imogen ao jornal The Guardian.

A amostra mais poluída veio do acampamento base do Everest, no Nepal, onde se concentra a maior parte da atividade humana na montanha.

As fibras provavelmente vieram de roupas, tendas e cordas usadas pelos montanhistas, de acordo com os cientistas.

Microplásticos e as consequências para a saúde humana

A informação sobre os resíduos encontrados no Everest e também na placenta humana vem sendo estudada com preocupação.

Uma pesquisa da WWF já apontou que as pessoas podem estar ingerindo o equivalente a um cartão de crédito de plástico por semana.

Os cientistas trabalham com algumas possibilidades referentes a como os microplásticos chegam ao organismo humano.

Uma delas é através da alimentação. Os microplásticos frequentemente entram em nossa cadeia alimentar por meio de água potável e frutos do mar. Além disso, podem entrar através das embalagens plásticas em que os alimentos são embalados nos supermercados.

Os microplásticos carregam substâncias que atuam como desreguladores endócrinos e podem causar efeitos a longo prazo na saúde humana.

Outra pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Victoria, no Canadá, em 2019, analisou as quantidades de microplásticos e diversos produtos e substâncias.

A água engarrafada aparece no topo da lista daqueles que apresentaram maior presença de microplástico, seguida por cerveja, ar, água de torneira, frutos do mar, açúcar e sal.

Na América do Sul, uma nova pesquisa encontrou microplásticos em cada amostra retirada de um vasto sistema de fiorde na Patagônia chilena, mostrando a imensa escala global da poluição marinha por plástico.

Cristóbal Castillo e sua equipe de pesquisa da Universidad de Concepción publicaram suas descobertas no mês passado no Marine Pollution Bulletin.

Para quem não sabe, apenas caminhar por 20 minutos, lavar nossas roupas ou abrir uma garrafa de plástico pode liberar microplásticos no meio ambiente.

Oceanos e saúde global

De acordo com a Plastic Oceans, mais de 8 milhões de toneladas de plástico acabam em nossos oceanos a cada ano.

Não é nenhuma novidade que os oceanos são cruciais para sustentar a vida no planeta. Eles desempenham um papel central na adição de oxigênio à atmosfera e na absorção de dióxido de carbono, ajudando a estabilizar os efeitos do aquecimento global.

LEIA TAMBÉM: Acordo de Glasgow: o novo compromisso da sociedade pelo clima

Eles são essenciais para a subsistência de milhões que vivem ou trabalham neles ou perto deles e têm um papel importante no fornecimento de vários medicamentos essenciais.

Conforme as temperaturas globais aumentam, a taxa de derretimento do gelo marinho aumenta. Isso libera formas de algas e bactérias nocivas em águas anteriormente não contaminadas.

Além disso, os efeitos das mudanças climáticas exacerbam outra causa significativa de danos à saúde dos oceanos: a poluição.

Plásticos de todos os tamanhos – principalmente os menores – são facilmente confundidos com comida por animais marinhos. As tartarugas marinhas, por exemplo, costumam confundir sacolas plásticas transparentes com águas-vivas.

No entanto, os microplásticos, acima de todas as outras formas de poluição do plástico, são o tipo de plástico mais frequentemente ingerido pela vida marinha.

Este artigo é só um resumo dos impactos interligados dentro dessa cadeia poluente em que vivemos. Toda e qualquer solução aponta para alternativas sustentáveis, incluindo o fim dos combustíveis fósseis – e, consequentemente, dos plásticos.

A sociedade precisa se unir para construir um mundo de energia limpa, livre e renovável.

Coronavírus detectado em partículas de poluição do ar

Coronavírus detectado em partículas de poluição do ar

O coronavírus foi detectado em partículas de poluição do ar por cientistas que investigam se isso pode permitir que ele seja transportado por longas distâncias e aumentar o número de pessoas infectadas.

O trabalho é preliminar e ainda não se sabe se o vírus permanece viável em partículas poluentes e em quantidade suficiente para causar doenças.

Os cientistas italianos usaram técnicas padrão para coletar amostras de poluição do ar ao ar livre em um local urbano e industrial na província de Bergamo e identificaram um gene altamente específico do Covid-19 em várias amostras. A detecção foi confirmada por testes cegos em um laboratório independente.

Leonardo Setti, da Universidade de Bolonha, na Itália, que liderou o trabalho, disse que era importante investigar se o vírus poderia ser transmitido mais amplamente pela poluição do ar.

“Sou cientista e estou preocupado quando não sei”, disse ele. “Se soubermos, podemos encontrar uma solução. Mas se não sabemos, só podemos sofrer as consequências. “


Veja mais notícias sobre o #Coronavírus:
https://www.arayara.org/tag/coronavirus/


Dois outros grupos de pesquisa sugeriram que partículas de poluição do ar poderiam ajudar o coronavírus a viajar mais longe no ar.

Uma análise estatística da equipe de Setti sugere que níveis mais altos de poluição por partículas poderiam explicar taxas mais altas de infecção em partes do norte da Itália antes da imposição de um bloqueio, uma ideia apoiada por outra análise preliminar. A região é uma das mais poluídas da Europa.

Nenhum dos estudos da equipe de Setti foi revisado por pares e, portanto, não foram endossados ​​por cientistas independentes. Mas especialistas concordam que sua proposta é plausível e requer investigação.

Estudos anteriores mostraram que as partículas da poluição do ar abrigam micróbios e é provável que a poluição tenha transportado os vírus que causam a gripe aviária, sarampo e febre aftosa por longas distâncias.

O papel potencial das partículas de poluição do ar está ligado à questão mais ampla de como o coronavírus é transmitido. Grandes gotículas carregadas de vírus da tosse e espirros de pessoas infectadas caem no chão em um ou dois metros. Mas gotículas muito menores, com menos de 5 mícrons de diâmetro, podem permanecer no ar por minutos a horas e viajar mais.

Os especialistas não sabem ao certo se essas minúsculas gotículas transportadas pelo ar podem causar infecções por coronavírus, embora saibam que o coronavírus Sars 2003 foi espalhado no ar e que o novo vírus pode permanecer viável por horas em minúsculas gotículas.

Mas os pesquisadores dizem que a importância da transmissão potencial no ar e o possível papel potencializador das partículas de poluição significam que ela não deve ser descartada sem evidências.

O professor Jonathan Reid, da Universidade de Bristol, no Reino Unido, está pesquisando a transmissão aérea de coronavírus. “Talvez não seja surpreendente que, enquanto suspensas no ar, as pequenas gotículas possam combinar com partículas urbanas de fundo e serem transportadas.”

Ele disse que o vírus foi detectado em pequenas gotas coletadas dentro de casa na China.

Setti disse que pequenas gotas entre 0,1 e 1 mícron podem viajar ainda mais quando coalescem com partículas de poluição de até 10 mícrons do que por conta própria. Isso ocorre porque a partícula combinada é maior e menos densa que a gota e pode permanecer flutuando pelo ar por mais tempo.

“A partícula de poluição é como um micro-avião e os passageiros são as gotas”, disse Sett. Reid é mais cauteloso: “Acho que a mudança muito pequena no tamanho das partículas [combinadas] dificilmente desempenhará um papel importante”.

O professor Frank Kelly, do Imperial College London, disse que a idéia de partículas poluentes que transportam o vírus para longe é interessante. “É possível, mas eu gostaria de ver esse trabalho repetido por dois ou três grupos.”

Outro especialista, John Sodeau, da University College Cork, na República da Irlanda, disse: “O trabalho parece plausível. Mas esse é o resultado final no momento, e interações plausíveis [de partículas] nem sempre são biologicamente viáveis e podem não ter efeito na atmosfera. ” Ele disse que o curso normal da pesquisa científica pode levar dois ou três anos para confirmar essas descobertas.

Outra pesquisa indicou correlações entre aumento das mortes por Covid-19 e níveis mais altos de poluição do ar antes da pandemia. Sabe-se que a exposição prolongada ao ar sujo prejudica a saúde dos pulmões, o que poderia tornar as pessoas mais vulneráveis ao Covid-19.

Fonte: The Guardian