Escolha uma Página
Estudo aponta forte aumento de emissões de metano no mundo

Estudo aponta forte aumento de emissões de metano no mundo

As emissões globais de metano, um gás de efeito estufa muito mais potente do que o CO2, aumentaram 9% entre 2006 e 2017, devido sobretudo ao setores energético e agrícola, segundo um estudo que será publicado nesta quarta-feira (15).

Quarenta por cento destas emissões têm origem natural (áreas pantanosas sobretudo) e cerca de 60% se devem a atividades humanas, segundo este estudo realizado por mais de 100 pesquisadores internacionais sob a égide do Projeto Global do Carbono.

O metano é o segundo maior gás de efeito estufa de origem antrópica (relacionada com as atividades humanas), depois do dióxido de carbono (CO2), mas seu efeito no aquecimento global é 28 vezes maior por quilograma do que o do CO2 em um prazo de 100 anos.

Suas concentrações atmosféricas mais que dobraram desde o começo da era industrial, até representar 23% do aquecimento global provocado pelos gases de efeito estufa.

O aumento calculado pelos pesquisadores (a partir das atividades produtivas observadas e as medidas atmosféricas) corresponde a cenários climáticos com um aquecimento elevado, entre 3 e 4 graus centígrados em 2100.

Esses valores estão acima dos objetivos do Acordo de Paris de 2015 de manter a elevação da temperatura global “consideravelmente abaixo dos 2°C com relação aos níveis pré-industriais, continuando com as ações para limitar o aumento da temperatura a 1,5 grau centígrado”. Para alcançar este último objetivo, as emissões de gases estufa deveriam diminuir 7,6% por ano, segundo a ONU.

“Se quisermos responder ao Acordo de Paris, não devemos nos contentar em limitar as emissões de dióxido de carbono, é preciso reduzir também as de metano”, adverte Marielle Saunois, do Laboratório de Ciências Climáticas e Ambientais, que coordenou o estudo.

A cientista defende uma quantificação mais regular (este é o segundo estudo do tipo) das emissões de metano, como se faz com o CO2, “porque a diminuição das emissões pode ser rapidamente benéfica para o clima”, especialmente devido à sua duração mais curta na atmosfera em relação ao CO2.

No período estudado, segundo os pesquisadores, a agricultura foi responsável pela maioria das emissões antrópicas de metano, sendo 30% provenientes dos rebanhos (fermentação digestiva e esterco) e 8% do cultivo de arroz.

Quanto às energias fósseis, a exploração de petróleo e gás representa 22% das emissões antrópicas e a extração de carvão, 11%.

A gestão de resíduos sólidos e líquidos representa 18% das emissões, a queima de biomassa e biocombustível, 8%, e o restante está relacionado com o transporte e a indústria.

As regiões tropicais são as que mais emitem (64% do total, principalmente devido às regiões pantanosas).

As emissões aumentam em todas as regiões do mundo, exceto na Europa. As que têm as maiores emissões são América do Sul, África, sudeste asiático e China.

Os pesquisadores também se preocupam com a possibilidade de as emissões aumentarem muito nas áreas de permafrost (solos congelados por longos períodos), devido ao aquecimento, mas “por enquanto não há sinais” de que esteja ocorrendo.

Fonte: AFP

Níveis globais de metano aumentam e batem recorde

Níveis globais de metano aumentam e batem recorde

Os níveis globais de metano atingiram o nível mais alto desde o que parece ser um aumento atmosférico anual quase recorde no potente gás de efeito estufa.

A concentração de metano na atmosfera da Terra atingiu quase 1.875 partes por bilhão em 2019, acima das 1.866 partes por bilhão do ano anterior, de acordo com dados preliminares coletados pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).

Se confirmado ainda este ano, seria o segundo maior aumento nos níveis de metano em mais de duas décadas. O NOAA começou a coletar dados globais de metano em 1983.

Embora o metano permaneça na atmosfera por apenas alguns anos, é 28 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono para reter o calor do sol, e representa uma ameaça cada vez mais grave aos esforços para combater o aumento do aquecimento global.

“Aqui estamos. É 2020, e não só não está caindo. Não é nivelado. Na verdade, é uma das taxas de crescimento mais rápidas que vimos nos últimos 20 anos “, disse à Scientific American Drew Shindell, cientista climático da Universidade de Duke.

No ano passado, os cientistas alertaram que níveis mais altos de metano dificultam ainda mais o alcance das metas estabelecidas pelo acordo de mudança climática de Paris.

Embora incertos sobre a fonte dos aumentos ano a ano, os pesquisadores da NOAA disseram anteriormente que muito disso vinha dos trópicos.

Eles acreditam que é provavelmente devido a mudanças microbianas nas zonas úmidas tropicais que expulsam o metano, potencialmente causadas por temperaturas mais quentes, o que equivale a um ciclo de feedback perigoso.

A hipótese é que, à medida em que o clima esquenta, aumenta a eficiência das comunidades microbianas que convertem matéria orgânica em metano.

Mas Rob Jackson, professor de ciências do sistema terrestre na Universidade de Stanford, disse que parte do aumento do ano passado provavelmente se deve também ao aumento da agricultura e do uso de gás natural.

Em seu relatório anual de sustentabilidade divulgado na semana passada, a empresa de combustíveis fósseis Shell revelou que suas emissões anuais de metano eram de 91.000 toneladas, ante 92.000 no ano anterior.

Fonte: The Independent