Escolha uma Página
Mais de 90% dos médicos na linha de frente contra a Covid-19 não fizeram teste para a doença

Mais de 90% dos médicos na linha de frente contra a Covid-19 não fizeram teste para a doença

O acesso a testes para confirmação da Covid-19 não é uma questão apenas para pacientes: 90,5% dos médicos ouvidos em pesquisa da Associação Paulista de Medicina não se submeteram a qualquer exame para detectar o novo coronavírus. O estudo ouviu 2.132 médicos dos sistemas de saúde público e particular de diversas cidades do país entre os dias 9 e 17 de abril.

Chama a atenção ainda que 35% dos médicos entrevistados pertencem ao chamado grupo de risco. Apresentam doenças como hipertensão, insuficiência renal, doenças pulmonares, cardiovasculares, entre outras, que são consideradas agravantes em caso de infecção pelo novo coronavírus.

Na esteira desses dados, ao menos 74,5% dos médicos ouvidos acham que faltarão médicos para o combate ao coronavírus, por conta da contaminação. A falta de testes e a carência de equipamentos de proteção individual (EPIs) para profissionais de saúde na linha de frente contra o coronavírus lideram as deficiências citadas por eles.

Ao menos 66% dos entrevistados relataram faltar testes para confirmar o diagnóstico de pacientes no local onde trabalham. E 50% disseram que faltam máscaras de proteção para os profissionais, um problema citado desde o início da epidemia. Carência de óculos, aventais e luvas também foi indicada no estudo.

Fonte: O Globo

Médicos alertam para riscos da Mina Guaíba à saúde

Médicos alertam para riscos da Mina Guaíba à saúde

O cardiologista Dr. Aluízio Achutti divulgou, neste domingo, um alerta urgente à população gaúcha sobre os impactos da Mina Guaíba. Resultado do III Seminário de Saúde Planetária de Porto Alegre e assinada pelos participantes do evento, a nota cita a ausência de Avaliação de Impacto à Saúde no estudo de impacto ambiental (EIA-RIMA) e cita graves doenças que podem atingir a população que vive no entorno da mina, como derrames, asma, demência, pneumonia, câncer, entre outras. Leia, a seguir, o texto completo do alerta.

NOTA DE ALERTA URGENTE À POPULAÇÃO:
sobre a Poluição da Mina Guaíba

O III Simpósio de Saúde Planetária de Porto Alegre propiciou palestras e debates públicos com renomados professores e especialistas internacionais em Saúde Ambiental das áreas da Justiça, Geologia, Medicina, e outros. Por consequência, julgamos imperativo tornar público as considerações:

a) Graves falhas na EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental) da Mina Guaíba, como:
I) Não inclusão do município de Porto Alegre na região de impacto ambiental indireto da mineração localizada a apenas 16 km do centro da cidade;
II) Subestimação na exposição dos reais custos sociais, ambientais e econômicos do projeto;
III) Não apresentar a composição química elementar do carvão mineral;
b) O risco de contaminação por metais pesados na água da Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA);
c) O risco de emissão de “poeira fina” oriunda das explosões da mineração que poderiam aumentar a ocorrência de infartos do coração, “derrames” (AVCs), demência, asma, câncer de pulmão, pneumonia infantil, partos prematuros e baixo peso ao nascer, entre outras, e impactos nos atendimentos nas UBS, pronto atendimentos e hospitais;
d) A ausência de Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) aos 4,3 milhões de habitantes da RMPA;
e) A proximidade perigosa ao Parque Estadual do Delta do Jacuí – “filtro” da água potável da RMPA;
f) A emergência climática;

Em face disso, alertamos para os graves riscos à saúde pela danosa poluição que resultaria do projeto da Mina Guaíba e Polo Carboquímico.

Os participantes do Simpósio também divulgaram um informativo direcionado à população:

Participantes do III Simpósio de Saúde Planetária de Porto Alegre

Quem é o Dr. Aluízio Achutti

Achutti é formado pela Faculdade de Medicina (Famed) da UFRGS. Foi professor visitante de centros ligados à Epidemiologia, Saúde do Adulto, Envelhecimento e Educação em Saúde em Londres, a convite do “British Council”. Entre os diversos prêmios recebidos estão: Primeiro Prêmio Nacional de Medicina e Saúde Pública, com a monografia “Avaliação de Cinco Anos do Projeto Fumo”, juntamente com Maria Helena Rosito e Ligia Kümel Louzada; Prêmio “Destaques Médicos 1988-1989”, conferido pela Associação Médica do Rio Grande do Sul, por serviços prestados à comunidade; Prêmio da Federação Mundial de Cardiologia (World Heart Federation) “World Cardiology Award”, recebido em 2002 em Sidney por ocasião da assembleia geral da instituição durante o Congresso Mundial de Cardiologia; e Prêmio Mário Rigatto Amrigs 2004, como personalidade atuante no controle do tabagismo.

Achutti também foi homenageado pela Sociedade Brasileira de Hipertensão durante seu XI Congresso realizado em Porto Alegre, em 2002, em razão de seu pioneirismo em Pesquisa Epidemiológica sobre Hipertensão Arterial no Brasil. Além disso, recebeu homenagem especial durante o 22º Congresso da Sociedade Brasileira de Cardiologia Pediátrica, como seu fundador juntamente com a médica Rachel Snitkowsky, em 1972.

O médico ainda foi membro do Grupo de Trabalho que elaborou o Projeto de Investigação sobre Prevenção da Febre Reumática em oito cidades da América Latina, sob o patrocínio da Organização Pan-Americana da Saúde, e foi responsável pela execução do projeto no Rio Grande do Sul e pelo relatório final de todo o projeto. Exerceu a coordenação geral do projeto de investigação “Vida e Morte de População do Rio Grande do Sul – A corte de 1978 revisitada”, e foi membro do Grupo de Trabalho que elaborou o projeto de investigação sobre Fatores de Risco em Sete Cidades da América Latina, sob o patrocínio da Organização Pan-Americana da Saúde, Programa Saúde do Adulto.

Desde 1986, Achutti é membro do Conselho Diretor da Unidade de Doenças Cardiovasculares da Organização Mundial da Saúde. Também integrou o Painel Científico da Sociedade Internacional e Federação de Cardiologia (atualmente World Heart Federation), na posição de “Chairman” do Comité de Prevenção da Febre Reumática e Doença Reumática do Coração de 1989 a 2000 e novamente em 2001. Foi consultor temporário da Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde em diversas oportunidades, relacionadas com projetos de investigação e intervenção populacional, quase sempre ligados à saúde do adulto e/ou doenças cardiovasculares, e criador do Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital da Criança Santo Antônio. Membro do Painel Assessor Internacional do ProCOR, fundado pelo Professor Bernard Lown (Prêmio Nobel de 1985), Aloyzio Achutti tem mais de cem trabalhos publicados na área de Medicina.

CARVÃO AQUI NÃO
Diga não ao carvão! Assine nossa petição:
https://campanhas.arayara.org/carvaoaquinao