Arquivos carvão - Instituto Internacional Arayara
+55 (41) 9 8445 0000 arayara@arayara.org
I Congresso Internacional sobre a Obsolescência do Carvão Mineral, Energias Sustentáveis e Transição Justa traz debate sobre descarbonização e transição energética

I Congresso Internacional sobre a Obsolescência do Carvão Mineral, Energias Sustentáveis e Transição Justa traz debate sobre descarbonização e transição energética

O primeiro Congresso Internacional Obsolescência do Carvão Mineral, Energias Sustentáveis e Transição Justa será sediado entre os dias 14, 15 e 16 de setembro no Brasil em três Universidades Federais promovendo debates e trabalhos científicos multidisciplinares

(mais…)

Planos de produção de  combustíveis fósseis, inclusive do Brasil , estão perigosamente fora  de sincronia com os  limites acordados em Paris

Planos de produção de combustíveis fósseis, inclusive do Brasil , estão perigosamente fora de sincronia com os limites acordados em Paris

Relatório de especialistas denuncia discrepância entre planejamento de produção de combustíveis fósseis em vários países, inclusive o Brasil, e os limites acordados em Paris.

“Planos de produção de combustível fóssil dos governos estão perigosamente fora de sincronia com os limites acordados em Paris”

20 de outubro de 2021 – O relatório The 2021 Production Gap Report publicado por grandes institutos de pesquisa e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – UN Environment Programme (UNEP), conclui que, apesar do aumento das ambições climáticas e compromissos net-zero, os governos ainda planejam produzir mais do que o dobro da quantidade de combustíveis fósseis em 2030 do que o que seria consistente com a limitação do aquecimento global a 1,5 ° C.

O relatório, lançado pela primeira vez em 2019, mede a lacuna entre a produção planejada dos governos de carvão, petróleo e gás e os níveis de produção globais consistentes com o cumprimento dos limites de temperatura do Acordo de Paris. Dois anos depois, o relatório de 2021 constata que a lacuna de produção praticamente não mudou.

Nas próximas duas décadas, os governos estão projetando coletivamente um aumento na produção global de petróleo e gás e apenas uma redução modesta na produção de carvão. Tomados em conjunto, seus planos projetam a produção total de combustível fóssil global aumentando até pelo menos 2040, criando uma discrepância de produção cada vez maior.

“Os impactos devastadores das mudanças climáticas estão aqui para que todos possam ver. Ainda há tempo para limitar o aquecimento de longo prazo a 1,5 ° C, mas essa janela de oportunidade está se fechando rapidamente ”, disse Inger Andersen, Diretor Executivo do UNEP. “Na COP26 e além, os governos do mundo devem intensificar, tomando medidas rápidas e imediatas para fechar a lacuna na produção de combustíveis fósseis e garantir uma transição justa e equitativa. Isso é ambição climática.”

O 2021 Production Gap Report fornece perfis de países para 15 grandes produtores: Austrália, Brasil, Canadá, China, Alemanha, Índia, Indonésia, México, Noruega, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e os Estados Unidos. Os perfis dos países mostram que a maioria desses governos continua a fornecer apoio político significativo para a produção de combustíveis fósseis.

“A pesquisa é clara: a produção global de carvão, petróleo e gás deve começar a declinar imediatamente e abruptamente para ser consistente com a limitação do aquecimento de longo prazo a 1,5 ° C”, disse Ploy Achakulwisut, principal autor do relatório e cientista da SEI. “No entanto, os governos continuam planejando e apoiando níveis de produção de combustível fóssil que excedem em muito o que podemos queimar com segurança”.

As principais conclusões do relatório incluem:

  • Os governos mundiais planejam produzir cerca de 110% a mais de combustíveis fósseis em 2030 do que seria consistente com a limitação do aquecimento a 1,5 ° C, e 45% a mais do que consistente com 2 ° C. O tamanho da lacuna de produção permaneceu praticamente inalterada em comparação com nossas avaliações anteriores.
  • Os planos e projeções de produção dos governos levariam a cerca de 240% a mais de carvão, 57% a mais de petróleo e 71% a mais de gás em 2030 do que o que seria consistente com a limitação do aquecimento global a 1,5 ° C.
  • A produção global de gás está projetada para aumentar ao máximo entre 2020 e 2040 com base nos planos dos governos. Essa expansão global contínua e de longo prazo na produção de gás é inconsistente com os limites de temperatura do Acordo de Paris.
  • Os países direcionaram mais de US $ 300 bilhões em novos fundos para atividades de combustíveis fósseis desde o início da pandemia COVID-19 – mais do que direcionaram para energia limpa.
  • Em contraste , o financiamento público internacional para a produção de combustíveis fósseis dos países do G20 e dos principais bancos multilaterais de desenvolvimento (MDBs) diminuiu significativamente nos últimos anos; um terço dos MDBs e instituições financeiras de desenvolvimento (DFIs) do G20, por tamanho de ativo, adotaram políticas que excluem atividades de produção de combustível fóssil de financiamento futuro.
  • Informações verificáveis ​​e comparáveis ​​sobre a produção e o apoio de combustíveis fósseis – tanto de governos quanto de empresas – são essenciais para lidar com a lacuna de produção.

“Os primeiros esforços das instituições financeiras de desenvolvimento para cortar o apoio internacional à produção de combustível fóssil são encorajadores, mas essas mudanças precisam ser seguidas por políticas de exclusão de combustível fóssil concretas e ambiciosas para limitar o aquecimento global a 1,5 ° C”, disse Lucile Dufour, Conselheira de Política Sênior no Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD).

“As nações produtoras de combustíveis fósseis devem reconhecer seu papel e responsabilidade em fechar a lacuna de produção e nos conduzir a um futuro com clima seguro”, disse Måns Nilsson, diretor executivo da SEI. “À medida que os países se comprometem cada vez mais com as emissões net-zero até meados do século, eles também precisam reconhecer a rápida redução na produção de combustíveis fósseis que suas metas climáticas exigirão”.

O relatório é produzido pelo Stockholm Environment Institute (SEI), International Institute for Sustainable Development (IISD), Overseas Development Institute (ODI), E3G e UNEP. Mais de 40 pesquisadores contribuíram para a análise e revisão, abrangendo várias universidades, grupos de reflexão e outras organizações de pesquisa.

Reações ao Relatório de Lacunas de Produção de 2020

“Os anúncios recentes das maiores economias do mundo para acabar com o financiamento internacional do carvão são um passo muito necessário para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis. Mas, como este relatório mostra claramente, ainda há um longo caminho a percorrer para um futuro de energia limpa. É urgente que todos os financiadores públicos, bem como privados, incluindo bancos comerciais e gestores de ativos, mudem seu financiamento do carvão para energias renováveis ​​para promover a descarbonização total do setor de energia e acesso a energia renovável para todos. ” diz António Guterres , Secretário-Geral da ONU.

“Este relatório mostra, mais uma vez, uma verdade simples, mas poderosa: precisamos parar de bombear petróleo e gás do solo se quisermos cumprir os objetivos do Acordo de Paris. Devemos cortar com as duas mãos da tesoura, abordando a demanda e a oferta de combustíveis fósseis simultaneamente. É por isso que, junto com a Dinamarca, estamos liderando a criação da Beyond Oil and Gas Alliance para pôr fim à expansão da extração de combustíveis fósseis, planejar uma transição justa para os trabalhadores e começar a reduzir a produção existente de forma gerenciada. ” diz Andrea Meza, Ministra do Meio Ambiente e Energia da Costa Rica.

“O Relatório de Lacunas de Produção de 2021 mais uma vez demonstra em termos inequívocos que precisamos de reduções significativas na produção de combustíveis fósseis se quisermos atingir as metas do Acordo de Paris. Em resposta, a Dinamarca tomou a decisão de cancelar todas as futuras rodadas de licenciamento de petróleo e gás e eliminar completamente nossa produção até 2050. Com a Costa Rica, encorajamos todos os governos a tomarem medidas semelhantes e se juntarem à Beyond Oil and Gas Alliance para promover um gerido e simplesmente eliminado da produção de combustível fóssil. ” Dan Jørgensen, Ministro do Clima, Energia e Serviços Públicos, Dinamarca.

Governo quer R$ 20 bi para construir usinas a carvão

Governo quer R$ 20 bi para construir usinas a carvão

Com as dificuldades na geração de energia por hidrelétricas, o governo planeja investir R$ 20 bilhões nos próximos 10 anos na renovação e ampliação do parque nacional de usinas térmicas alimentadas a carvão mineral. O BNDES, no entanto, informou que somente apoia projetos de energia limpa e, até segunda ordem, não pretende financiar o programa, informa André Borges. O banco de fomento afirma ter “visão estratégica que leva em consideração o desenvolvimento sustentável e de longo prazo do País e do mundo”, o que envolve “matriz energética diversificada e limpa”. A última usina a carvão mineral financiada pelo BNDES recebeu recursos em 2015. Em 2016, o banco decidiu vetar repasses para esse tipo de projeto. Neste ano, essa política foi formalmente definida pela diretoria do banco. Nos últimos cinco anos, o BNDES firmou contratos de R$ 27 bilhões em financiamentos a projetos com fontes hídricas, solares, eólicas e de biomassa. Outros 12 projetos de térmicas a gás receberam R$ 7,7 bilhões.

Fonte: O Estado de S.Paulo https://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-podcasts/noticia-no-seu-tempo-governo-quer-r-20-bi-para-construir-usinas-a-carvao-bndes-resiste/

O carvão, um assassino silencioso

A única maneira de combater a contaminação com carvão é fechar todas as minas e usinas do mundo e desenvolver somente energias alternativas, afirma especialista norte-americano.

Buenos Aires, 26 de abril (Terramérica) – Os acidentes fatais em minas de carvão, como os ocorridos nos Estados Unidos e na China, causam comoção. Mas o médico norte-americano Alan Lockwood alertou que são muito mais as mortes pela contaminação derivada da exploração desse mineral. Com o apoio de estudos da organização Médicos para a Responsabilidade Social (filiada à Internacional Physicians for the Prevention of Nuclear War, ganhadora do Nobel da Paz em 1985), Lockwood afirma que o carvão provoca doenças cardíacas e respiratórias crônicas, danos cerebrais e câncer, que estão entre as cinco principais causas de mortes nos Estados Unidos.

Suas conclusões e as de outros especialistas foram divulgadas em novembro no informe O impacto do carvão sobre a saúde humana. Ali há o alerta sobre as doenças causadas pelo mineral, desde sua extração até a disposição final dos resíduos, passando pela queima para produzir eletricidade. Apesar dos danos à saúde e à atmosfera pela emissão de gases-estufa, a matriz energética mundial tem o carvão como primeira fonte. China, Estados Unidos, África do Sul, Polônia, Austrália e Israel, entre outros, produzem a maior parte de sua eletricidade com base neste mineral.

O Greenpeace Argentina, que protesta contra a construção de uma usina de carvão no Rio Turbio, sudoeste da província de Santa Cruz, convidou Lockwood para visitar Buenos Aires, ocasião em que conversou com o Terramérica.

Terramérica: Que impacto tem a produção de carvão na saúde humana?

Alan Lockwood: Dezenas de milhares de pessoas morrem por ano nos Estados Unidos e muitas outras sofrem doenças graves ou menores, como asma e afecções pulmonares obstrutivas crônicas e câncer de pulmão. Também ataques cardíacos, apoplexia ou redução da capacidade intelectual.

Terramérica: Estes impactos devem ser somados às doenças derivadas da mudança climática?

AL: Sim. O dióxido de carbono é o gás contaminante mais conhecido, mas há outros, como o metano, que também deriva desta atividade e que tem um efeito estufa 20 vezes mais potente do que o anterior. Isto aumenta as doenças associadas ao aumento da temperatura, como dengue, malária, diarréia provocada por inundações e pela contaminação da água, todos problemas de saúde ligados à mudança climática.

Terramérica: Quais as fases da produção de carvão que mais contaminam?

AL: A maior é a da queima. Mas desde que os trabalhadores o extraem da mina até as cinzas que vão parar em depósitos de lixo, todos são passos que têm impacto na saúde.

Terramérica: Quais substâncias tóxicas derivam da mineração e combustão do carvão?

AL: Principalmente dióxido de enxofre, óxido de nitrogênio, mercúrio e materiais particulados, que são pequeníssimos, com 2,5 micrômetros ou menos. Além de materiais radioativos, como urânio e tório, que estão dentro do carvão e vão para a atmosfera. Alguns, inclusive, acabam nos lugares de eliminação das cinzas.

Terramérica: É preciso estar muito perto de uma mina ou de uma central para se contaminar?

AL: Não necessariamente. Claro, quanto mais perto de uma usina de carvão mais perigoso é. Porém, muitos destes contaminantes percorrem longas distâncias pelo ar até serem inalados, e também chegam por meio da água. O mercúrio, por exemplo, fica no ar, a chuva o leva para cursos fluviais, daí chegam aos peixes que logo serão nosso alimento. Não há como escapar do carvão.

Terramérica: Por que em seu informe não são mencionados os acidentes em minas como parte do impacto do carvão na saúde?

AL: Não aparecem por falta de espaço, salvo uma referência geral aos perigos da mineração. Mas agora estou escrevendo um livro para publicar dentro de dois anos e nele dedicarei um capítulo a esse assunto. Nos Estados Unidos, está muito presente nas notícias por causa do acidente em West Virginia (onde em março uma explosão matou 29 mineradores), mas na China são milhares os trabalhadores em minas de carvão que morrem por ano vítimas de acidentes.

Terramérica: Então, os acidentes devem ser considerados parte dos efeitos sanitários da mineração de carvão?

AL: Sim. Mas apesar desses terríveis acidentes, que são notícias de grande impacto, pior é a morte de 10 mil a 20 mil pessoas por ano nos Estados Unidos por doenças relacionadas ao carvão. E a imprensa nada fala sobre isto.

Terramérica: O que recomenda, então, para gerar energia? Fechar as minas e as centrais térmicas? Produzir de forma mais limpa?

AL: O que se deve fazer é desenvolver energias alternativas como solar, eólica, hidrelétrica e de marés, que não produzem dióxido de carbono, enxofre, dióxido de nitrogênio nem mercúrio. Assim se favorece o uso eficiente da eletricidade. É uma boa estratégia para criar bons empregos, fazer crescer a economia e cuidar do meio ambiente e da saúde.

Fonte: Associação Brasileira do Ministério Público do Meio Ambiente