02/13/2020 - Instituto Internacional Arayara
+55 (41) 9 8445 0000 arayara@arayara.org

2020 tem o janeiro mais quente da história, diz agência americana

Em 141 anos de medições da Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa, na sigla em inglês), nunca houve um janeiro tão quente como o de 2020.  É o 44º janeiro consecutivo em que o primeiro mês do ano registra temperatura acima da média e o 421º mês com temperatura acima da média para o século 20. 

A temperatura global (terra e oceano) ficou 1,14°C acima da média para o século 20, ultrapassando o recorde de janeiro de 2016 em 0,02°C.

Olhando os hemisférios separadamente, o Norte também teve o janeiro mais quente da história, com 1,5°C acima da média. Já o Sul registra o segundo no ranking. Com 0,78°C acima da média em 2020, fica atrás de janeiro de 2016. 

Outros eventos climáticos que apareceram no relatório da agência americana foram temperaturas recordes em partes de Escandinávia, Ásia, Oceano Índico, Oceano Pacífico central e ocidental, Oceano Atlântico e América Central e do Sul. 

Também chamou a atenção que a cobertura antártica de gelo marinho ficou 9,8% abaixo da média e empatou com janeiro de 2011 como o 10º menor.

Além disso, a cobertura de neve do Hemisfério Norte ficou abaixo da média de 1981-2010, com a 18ª menor em janeiro no recorde de 54 anos.

Fonte: GaúchaZH

Mobilização Nacional Indígena divulga nota de repúdio ao PL que regulamenta mineração e empreendimentos em terras indígenas

As organizações abaixo assinadas – indígenas, indigenistas, socioambientais e de defesa de direitos humanos -, a maioria membros da Mobilização Nacional Indígena (MNI), vêm manifestar veemente repúdio ao Projeto de Lei nº 191/20, encaminhado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, no dia 06 de fevereiro do presente ano, que tem por objetivo regulamentar a pesquisa e exploração de recursos minerais, o garimpo, a extração de hidrocarbonetos, bem como o aproveitamento de recursos hídricos para geração de energia elétrica em terras indígenas. O PL materializa o “sonho” do mandatário, que desde a sua posse defende o aproveitamento econômico de territórios indígenas, e o pesadelo para os povos indígenas.

Mais uma vez Bolsonaro reitera a sua política de desrespeito ao Estado Democrático de Direito, aos direitos humanos, à Constituição Federal e aos tratados internacionais que reconhecem os direitos indígenas. O Projeto de Lei 191/20, encaminhado à Câmara Federal, propõe a liberação dos territórios indígenas para exploração de minérios, recursos hídricos e até a agropecuária, sendo que na Constituição Brasileira é estabelecido como princípio que o governo federal tem o dever de proteger os territórios indígenas.

É flagrante a intenção do presidente da República e seus apoiadores de abertura das terras indígenas a grupos econômicos nacionais e internacionais. Trata-se de um projeto de morte para os povos indígenas, que virá na forma de descaracterização dos seus territórios, violação dos seus direitos e perda da sua autonomia, conquistados na Constituição Brasileira e em tratados internacionais. O Projeto de Lei é um caminho sem volta ao direito ao usufruto exclusivo dos povos indígenas sobre o seu território.

O projeto também propõe o retorno da tutela, quando retira de forma falaciosa o poder de veto dos povos indígenas com relação à exploração de seus territórios, submetendo à aprovação do próprio Presidente da República, após uma consulta meramente protocolar para confirmar o empreendimento. Propõe também que a administração dos recursos financeiros caberá a um conselho curador que poderá ser formado por apenas três indígenas e que poderá definir as associações que legitimamente representam as ‐ comunidades indígenas afetadas.

O P.L. 191/20 é totalmente usurpador, autoritário, neocolonialista, violento, racista e genocida, sobretudo no que diz respeito aos povos indígenas voluntariamente isolados e de recente contato. O P.L. retoma uma perspectiva etnocida e genocida contra os povos indígenas, na contramão do que preconiza a Constituição Federal em seus artigos 231 e 232, e tratados internacionais, pois, além de propor a desestruturação das políticas de proteção, descaracteriza os territórios já regularizados e sinaliza com a não demarcação de novos territórios.

Manifestamos nosso repúdio e contrariedade sobre o referido Projeto de Lei e seus impactos imprevisíveis. Unimo-nos à luta dos Povos Indígenas do Brasil, no apoio irrestrito aos seus direitos originários.

Brasília, 12 de fevereiro de 2020.

Assinam:
Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB
Articulação dos Povos Indígenas do Nordeste, Minas Gerais e Espirito Santo – APOINME
Articulação dos Povos Indígenas do Sul – ARPINSUL
Associação Floresta Protegida
Associação Indígena Moratu do Xingu – AIMIX
Aty Guasú
Centro de Trabalho Indigenista – CTI
Comissão Guarani Yvyrupa
Comitê Nacional de Defesa dos Territórios Frente a Mineração – CNDTFM
Conselho das Aldeias Wajãpi – Apina
Conselho Indigenista Missionário – CIMI
Conselho Terena
Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira – COIAB
Indigenistas Associados – INA
Instituto de Estudos Socioeconômicos – INESC
Instituto Internacional de Educação no Brasil – IIEB
Instituto de Pesquisa e Formação Indígena – IEPÉ
Instituto Socioambiental – ISA
Operação Amazônia Nativa – OPAN
Rede de Cooperação Amazônica – RCA
Greenpeace
Instituto Sociedade, População e Natureza – ISPN
Movimento dos Atingidos pela Mineração – MAM

Mudanças climáticas reduzem população de pinguins de barbicha em até 77% na Antártica

Com base em números contabilizados desde a década de 1970, cientistas que estudam as mudanças do clima apontam uma redução de até 77% no número de pinguins de barbicha em algumas colônias da Antártica.

O pinguim de barbicha, assim chamado por causa da faixa negra estreita que tem debaixo da cabeça, habita as ilhas e costas do Pacífico Sul e os oceanos Antárticos. A espécie se alimenta de krill, animal invertebrado semelhante ao camarão.

“A diminuição que vimos é dramática”, disse Steve Forrest, um biólogo conservacionista que se juntou a uma equipe de cientistas das universidades norte-americanas de Stony Brook e Northeastern em uma expedição recém-concluída.

“Algo está acontecendo com os componentes básicos fundamentais da cadeia alimentar. Temos menos abundância de alimentos, o que está fazendo com que estas populações diminuam cada vez mais, e a pergunta é: isso continuará?”

Os cientistas, que viajaram em dois barcos do Greenpeace – o Esperanza e o Arctic Sunrise – realizaram a expedição entre 5 de janeiro e 8 de fevereiro e utilizaram técnicas de inspeção manual e drones para avaliar a magnitude do dano.

O número de pinguins na Ilha Elefante se reduziu em cerca de 60% desde a última pesquisa, em 1971, chegando a menos de 53 mil casais reprodutores na atualidade, segundo a expedição.

“Embora haja vários fatores que podem explicá-lo, todas as provas que temos apontam para a mudança climática como responsável pelo que estamos vendo”, disse Heather Lynch, professora-associada de ecologia e evolução a Universidade Stony Brook.

Na semana passada, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) informou que uma base de investigação na Antártica registrou a temperatura mais alta já alcançada no continente em um contexto de preocupação crescente com o aquecimento global, que acelerou o descongelamento das calotas de gelo ao redor do polo sul.

O Greenpeace está pedindo à Organização das Nações Unidas (ONU) que se comprometa a proteger 30% dos oceanos do mundo até 2030, um objetivo solicitado pelos cientistas e por um número crescente de governos como o mínimo necessário para deter o estrago causado pela atividade humana.

Fonte: G1

Presidente da CNBB critica projeto de Bolsonaro para terras indígenas

O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Walmor de Oliveira, criticou o projeto de lei apresentado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro que prevê a regulamentação da mineração em terras indígenas. Dom Walmor disse que é preciso respeitar as populações indígenas e “não apenas fazer um projeto de desenvolvimento que atenda a interesses econômicos que são nefastos”.

“Estamos diametralmente opostos àquilo que atinge (as populações indígenas) e que se faz por interesse meramente econômico e um desenvolvimentismo e que não atende as necessidades dos mais pobres, mas que os expulsa”, afirmou.

E completou: “Governos e grupos econômicos presidem seus interesses no dinheiro e, portanto, não levam em conta questões fundamentais que devem ser consideradas em nome da preservação. Sabemos que é uma enorme e grande luta que devemos fazer”.

Fonte: Agência O Globo

Grandes petrolíferas lucraram quase 2 trilhões de dólares em três décadas

Grandes petrolíferas como a BP, Shell, Exxon e Chevron lucraram perto de dois trilhões de dólares durante as últimas três décadas, assegura o “The Guardian”. Os lucros são provenientes da exploração de reservas de petróleo, gás e carvão, que agora começam a ser escassas e a levar o planeta ao colapso climático.

De acordo com uma análise do ‘The Guardian’, realizada por especialistas dos EUA, o impacto da extração dos combustíveis já era conhecido em 1990 por líderes políticos e pela indústria, mas os lucros falaram mais alto, e em três décadas as quatro empresas já acumularam 1,991 trilhão de dólares em lucro.

A análise realizada pela entidade nos EUA mostrou que a Exxon foi a mais lucrativa nos anos em análise, perfazendo um total de 775,2 bilhões de dólares. Só durante a década de 2000-2009, a Exxon Mobil conseguiu lucrar 353 bilhões de dólares, enquanto nesta última década amealhou 285,2 bilhões de dólares.

A Shell ficou em segundo lugar como a mais lucrativa, com um total de 523,6 bilhões de dólares. O maior período lucrativo também verificou ser a década de 2000 a 2009, com um lucro de 239,8 bilhões de dólares.

Para o cientista climático Michael Mann, o impacto ambiental da extração de combustíveis fósseis na Austrália são exemplo para o mundo. “Aqui em Sydney, onde vimos recordes de secas, calor, incêndios e inundações, este relatório fornece uma lembrança preocupante de que estamos todos pagando o preço dessa exploração. Para que algumas empresas possam continuar a ter lucros gigantes, pagamos o preço através de uma crise climática”, afirmou.

Fonte: Jornal Economico